Crítica (em vídeo): Pantera Negra

O filme do Pantera Negra, o herói africano da Marvel Studios, estreou no último final de semana, elevando o nível dos longa-metragens de super-herói a um novo patamar. O filme agradou a maioria esmagadora da crítica e vem agradando também ao público, causando boas reações em quem tem contato ao fabuloso mundo de Wakanda e sua tecnologia extraordinária.

O filme é repleto de ação e tem um visual de tirar o fôlego.

Nós também vimos esta aguardada produção e fazemos nossas considerações no vídeo a seguir – sem spoilers, como de costume. De quebra, no final do vídeo, temos duas dicas de quadrinhos bem legais sobre este nobre herói.

Anúncios

Dora Milaje em pôster de Pantera Negra feito por fã

A um mês da estreia do filme Pantera Negra (Black Panther, 2018), novos pôsteres do longa-metragem começam a sair. Este, destacando Dora Milaje, o grupo de mulheres guerreiras de Wakanda, designadas para se tornarem as esposas do rei do país, foi feito por fã e impressiona pelo nível de profissionalismo. As personagens estão dispostas de forma que preenchem um mapa da África, sobre os adjetivos: “Violentas. Fortes. Guerreiras.”

Entre as guerreiras que pertencem a Dora Milaje estão Okoye (Danai Gurira), Ayo (Florence Kasumba) e Nakia (Lupita Nyong’o), que se tornou a vilã Malice nas HQs do herói negro. O grupo Dora Milaje apareceu pela primeira vez nas HQs do Pantera Negra em Black Panther (Vol. 3) 1 (1998). Pantera Negra estreia dia 15 de fevereiro no Brasil.

ATUALIZADO: Além deste, o autor criou outras imagens no mesmo estilo, com outros personagens, uma mais sensacional que o outro.

Trailer de Pantera Negra

Conforme prometido, a Marvel Studios liberou ontem à noite o primeiro trailer do filme Pantera Negra, que chega aos cinemas no início do ano que vem. O destaque vai para as belas imagens da região de Wakanda, lar do rei T’Challa (Chadwick Boseman) e a tecnologia do local. Veja o vídeo:

Primeiro pôster de Pantera Negra

A Marvel Studios liberou o primeiro pôster para o filme do Pantera Negra e promete para esta noite o primeiro teaser trailer. O filme, que tem Chadwick Boseman no papel título, estreia em fevereiro de 2018. Também fazem parte do elenco Michael B. Jordan (o Tocha Humana de Quarteto Fant4stico, 2015) como Erik, o Terror Negro e Andy Serkis como Ulisses Klaw, o vilão Garra Sônica. Veja abaixo o majestoso pôster do herói.

Rei das bilheterias em 2018?

 

Heróis contra o preconceito

Além de combater invasões alienígenas, cientistas malucos que querem dominar o mundo e ladrões de banco, alguns super-heróis também estão engajados na luta contra outro tipo de crime, mais velado, mas nem por isso menos grave: o preconceito. Além de entreter, as histórias em quadrinhos também têm uma função social e, por isso mesmo, são usadas para passar uma mensagem de conscientização na sociedade de que ninguém é melhor ou pior do que qualquer pessoa e que todos somos iguais, independente da raça, cor da pele, sexo, religião, condição física, orientação sexual ou condição social.

Mulher-Maravilha: ícone feminista

A Mulher-Maravilha foi, talvez, a primeira heroina a levantar a bandeira contra a discriminação sexual. Na época, as mulheres nos quadrinhos eram relegadas a papel secundário, na maioria das vezes colocadas em perigo para que o herói, esse sim, viril, intrépido e corajoso, pudesse cumprir seu papel de salvador. Em 1941, o psicólogo e inventor William Moulton Marston criou a Mulher-Maravilha, cuja estreia se deu em All-Star Comics 8 e a personagem causou muita polêmica, tanto pelos seus trajes sumários, um escândalo para o conservadorismo dos anos 40, como pelo fato de suas histórias inverterem o conceito de heroísmo, colocando o homem em posição inferior – não raras vezes, eles eram amarrados pelo laço e obrigados a falar a verdade.
Apesar disso, a personagem serviu de inspiração para outras heroinas e mudou o conceito das próprias personagens que já existiam. A mudança na personalidade de Lois Lane, namorada do Superman, que era submissa e sempre em perigo, para uma repórter forte e decidida é um exemplo. E mais: as meninas também ganharam uma representante no mundo dos super-heróis em pé de igualdade com qualquer outro herói e as HQs deixaram de ser “coisa de meninos”

Edição de estreia do Pantera Negra

Outra revolução nos quadrinhos foi a criação do herói Pantera Negra, em 1966. Criado como coadjuvante das histórias do Quarteto Fantástico, o Pantera Negra é o líder da nação africana Wakanda, um país fictício, tecnologicamente mais avançado que qualquer nação do mundo e possui os poderes do felino que lhe empresta o nome, com sentidos aguçados, agilidade e sagacidade. Foi o primeiro super-herói negro criado pela Marvel para diminuir o preconceito racial e valorizar a beleza negra. Ele também foi o precursor de uma série de outros heróis negros, como o Falcão, parceiro do Capitão América e Luke Cage, o herói de aluguel.

Luke Cage: primeiro negro a ganhar um título próprio

Este último foi o primeiro herói negro a ter um título próprio, usado pela editora para passar uma forte mensagem antirracismo. O herói teve uma infância pobre no Harlem (EUA), bairro pobre e separatista do país, foi condenado por um crime que não cometeu e sofreu nas mãos de um carcereiro racista até que adquiriu superforça e pele dura como aço num acidente provocado para matá-lo. Na mesma época, a DC Comics criou um herói negro para a Tropa dos Lanternas Verdes, uma vez que o herói vivia uma fase de “aventuras sociais”, onde discutia temas como racismo, violência, drogas e ecologia. Porém, o Lanterna Verde John Stewart só veio a se tornar conhecido do grande público recentemente, com a estreia do desenho animado da Liga da Justiça.
Atualmente, ainda que de forma bastante sutil, há um crescimento no número de personagens gays. A sociedade ainda não vê com bons olhos a questão da homossexualidade, mas os quadrinhos já vem incluindo, há algum tempo, personagens gays para abrir os olhos da população que a condição sexual independe de escolha e está presente em todos os círculos sociais. O primeiro a “sair do armário” foi o herói Estrela Polar, do grupo canadense Tropa Alfa. Na época, a revelação foi tão polêmica que o personagem caiu no ostracismo e levou todo o grupo consigo, mas serviu de ponte para que outros personagens assumissem sua condição: o Flautista, inimigo do Flash, a capitã de polícia Maggie Sawyer, coadjuvante das aventuras do Superman, a policial Renée Montoya e a Batwoman, amantes declaradas, o Colossus do Universo Ultimate, o caubói Rawhide Kid, conhecido no Brasil como Billy Blue, o caçador de demônios Constantine e outros.

Estrela Polar é homossexual

Parece uma tendência que os novos grupos de super-heróis incluam um homossexual entre os seus, geralmente adolescente. Nos Jovens Vingadores, Hulkling e Wiccano (versões jovens do Hulk e do Thor) são namorados; nos Fugitivos, a personagem alienígena Lucy in the Sky tem um romance com uma skrull. O interessante é que os skrulls podem assumir qualquer forma e a personagem é ora um rapaz, ora uma moça. Lucy, no entanto, já declarou que prefere a versão feminina.

Hulkling e Wiccano: namorados

Até mesmo Mauricio de Sousa, que não tem nada a ver com super-heróis, mas tem a ver com inclusão social, faz questão de provocar discussões com seus personagens. Numa historinha da personagem Tina, ele apresenta Caio, que supostamente é gay. Assim que a história foi para as bancas, choveram críticas, mas Mauricio se defendeu dizendo que sempre tratou e sempre tratará as diferenças com respeito e delicadeza, sem ofender ninguém e sem levantar qualquer bandeira, a não ser a da dignidade humana. Que o digam o Humberto (mudo), a Dorinha (cega), o Jeremias (negro), o Tikara, a Keika e o Hiro (japoneses) e o Luca (cadeirante).

Talvez o preconceito nunca acabe, mas as histórias em quadrinhos podem se orgulhar de ser um meio que, além de divertir e nos levar ao mundo da fantasia, também nos mantém com o pé na realidade e nos mostram que ninguém é melhor do que ninguém, pois somos todos seres humanos e temos a mesma dignidade perante Deus e os homens.