Leituras da Semana – Março (4)

Encerrando o mês em que celebramos o Dia Internacional da Mulher, as leituras foram exclusivamente femininas com uma heroína clássica e uma moderna.

A fase de ouro da Princesa Amazona

Lendas do Universo DC – Mulher Maravilha de George Pérez – Vol. 1 (Fev/2017) – Uma das fases mais aclamadas da Princesa Amazona reunida neste encadernado de qualidade ímpar. Após a saga Crise nas Infinitas Terras, a DC precisou reformular a origem de seus personagens e o artista George Pérez – que teve uma brilhante fase nos Novos Titãs – ficou encarregado de devolver a relevância à Mulher-Maravilha. O desenhista/roteirista acertou em cheio ao associar a heroína à mitologia grega, dando-lhe um caráter quase divino e recolocando-a entre os principais personagens da editora. A beleza do traço de Pérez é outro atrativo, pois destaca toda a delicadeza e altivez da heroína. Um material à altura para aguardar o filme da Amazona que está por vir.

Bom humor juvenil

Ms. Marvel Vol 3 – Apaixonada (Mar/2017) – Um material pra lá de divertido que lida com muito humor das confusões hormonais que acontecem na adolescência da jovem super-heroína. Na primeira história, ela precisa evitar que Loki estrague o baile do Dia dos Namorados em sua escola. Nas outras três, a jovem Kamala encontra um novo garoto na cidade que faz o coração dela balançar. Pra encerrar, mas uma HQ bem engraçada com a participação de agentes da Shield saídos diretamente da série de TV. O melhor dos três encadernados da Ms. Marvel até agora.

Leituras da Semana – Março (1)

blog-abrePegando o restinho de fevereiro e o feriado prolongado de Carnaval, iniciamos o mês de março com leituras bem bacanas.

Starlin e sua criação máxima.

Starlin e sua criação máxima.

Thanos – Revelação Infinita (fev/2017) – Quarto encadernado da série OGN (Original Graphic Novel), esta edição traz Thanos como protagonista em mais uma história de busca por um objeto capaz de alterar/destruir a realidade. Essa temática, já não tão original, é comum nas histórias criadas por Jim Starlin – o roteirista desta HQ – e ele se aproveita de todos os conceitos já trabalhados ao longo dos anos. A trama em si não é tão boa – é até um tanto confusa – mas só pelo fato de ter Starlin de volta aos personagens que criou (no caso de Thanos) e consagrou (no caso de Adam Warlock), já vale a leitura. O autor sabe criar sagas cósmicas como ninguém e repete a façanha. As referências no meio da história são a melhor diversão para os fãs de longa data.

O Mago Supremo e seu machado místico numa fase excelente.

O Mago Supremo e seu machado místico numa fase excelente.

Doutor Estranho 3 (fev/2017) – A batalha do Doutor Estranho contra o Empirikul continua, obrigando o mago supremo a se utilizar de toda magia disponível – já que ela está desaparecendo – incluindo magia negra. Trata-se de uma volta às origens do personagem, já que, quando foi criado, ele era “o mestre da magia negra”, ao invés de “artes místicas”. Apesar da temática um tanto lúgubre, as histórias são bem leves e divertidas, como nunca havia sido visto antes nas aventuras do Dr. Estranho. Uma fase muito boa que merece ser acompanhada.

Thora ganha sua própria revista mensal

Thora ganha sua própria revista mensal

Thor 1 (Fev/2017) – A última vez que Thor teve um título mensal só dele foi no distante ano de 1976, ainda quando a Marvel era publicada pela Bloch Editora e o Deus do Trovão era chamado de “barra-limpa” nos desenhos desanimados que passavam na Rede Record. De lá pra cá, o personagem ficou relegado a coadjuvante nas publicações de linha ou, no máximo, dividindo um título com outro personagem – caso de Homem de Ferro & Thor, publicada pela Panini de 2013 a 2015. Agora, o herói ganha o protagonismo mais uma vez… ou melhor, A heroína, já que agora estamos falando da Poderosa Thor (que eu chamarei de Thora, independentemente do que digam). Pois bem… nessa revista solo – pode ser considerada a primeira vez, já que se trata de outro personagem – Thora se divide entre a luta contra o câncer que extingue sua vida aos poucos e batalhas no reino eterno, onde ela não é bem-vinda. E, só pra constar, Odin agora é um vilão. Vivemos num mundo sombrio para os quadrinhos de super-herói…

Mais ritmo para as HQs do Vingador Dourado

Mais ritmo para as HQs do Vingador Dourado

Homem de Ferro 3 (fev/2017) – Com os roteiros de Brian Michael Bendis, as aventuras do Vingador Dourado ganharam muito mais ritmo. Tanto em dinâmica, com histórias ágeis e cheias de ação, como nos diálogos, cheios de sarcasmo e boas tiradas. Nesta edição, o Homem de Ferro tem a ajuda do Dr. Destino para enfrentar Madame Máscara que, finalmente, tem a origem de seus novos poderes místicos revelada – e não é nada bom! Ao mesmo tempo, Máquina de Combate investiga o roubo das Indústrias Stark no Japão e seu chefe faz um convite inusitado a uma certa modelo que tem uma relação muito íntima com o universo dos super-heróis para trabalhar com ele.

Que vilão conseguiria "inverter" Manto e Adaga?

Que vilão conseguiria “inverter” Manto e Adaga?

O Espetacular Homem-Aranha 4 (Fev/2017) – Quando a capa da revista mostra Manto e Adaga com seus poderes invertidos, já é uma pista de qual supervilão está de volta para infernizar a vida do Homem-Aranha – aliás, um dos vilões mais ridículos de sua carreira, capaz de fazer frente ao Gibão e ao Homem-Sapo, mas que o roteirista Dan Slott (o criador da figura, aliás) faz crer que ele é tão badass quanto o Rei do Crime. Em Homem-Aranha Ultimate, Morales tem que lidar com a indiscrição de seu (ex?) melhor amigo. Texto ágil e divertido de… adivinhem!… Brian Bendis.

Trama inteligente e bem conduzida.

Trama inteligente e bem conduzida.

O Capuz – O Sangue que vem das Pedras (Fev/2016) – Este encadernado, lançado há um ano atrás, é o último da série de vilões da Marvel (até o momento, pelo menos) e, embora tenha ouvido muitas críticas negativas, me surpreendi com a excelente trama. Conta a origem do vilão e como ele adquiriu seu capuz místico e de onde vem seus poderes. O roteiro de Brian K. Vaughan (criador dos Fugitivos, só pra sentir o calibre do sujeito) explora as motivações do ladrão pé-de-chinelo Parker Robbins e de como os eventos o foram conduzindo a se tornar um perigoso supervilão. A história é bem conduzida e, mesmo trabalhando com um personagem de pouca popularidade, o autor consegue dar a ele um grau de importância, principalmente ao associá-lo a supervilões conhecidos como Shocker, Constritor e Halloween. Aí é que está a brincadeira: associar um vilão de segunda aos outros do mesmo nível e mostrar que ele pode superá-los. Excelente leitura.

Medo mesmo, só das HQs sem final.

Medo mesmo, só das HQs sem final.

Coleção Oficial de Graphic Novels Salvat Vol. XXI – Marvel Horror – (Fev/2017) – Nos anos 1970, o mercado de quadrinhos passou por uma febre de histórias de terror. Isso aconteceu por conta do alívio que o famigerado Comics Code sofreu na época, liberando novamente essas HQs, que antes estavam na lista negra de publicações. Este encadernado resgata a gênese deste gênero, com as estreias ou primeiras histórias de personagens como Drácula, Lobisomem, Frankenstein, Múmia Viva, Motoqueiro Fantasma, Filho de Satã, Homem-Coisa, Irmão Vodu e, de brinde, Morbius, o vampiro que serviu de experiência para o retorno do gênero. É um retrato de uma época, com um excelente time de roteiristas, mas infelizmente, a edição peca pela falta de continuidade. No ímpeto de publicar o maior número possível de monstros, as histórias (a maioria com continuação) ficaram sem um final. Ou seja: leia, mas não saiba como a história termina.

Leituras da Semana – Fevereiro (4)

blog-logo-leituras4Na semana derradeira do mês, alguns lançamentos e encadernados interessantes, outros nem tanto.

Um tributo ao monarca da Latvéria.

Um tributo ao monarca da Latvéria.

Os Livros do Destino (ago/2014) – Republicação de um material já publicado na antiga Universo Marvel Anual, mas que passou batido na época do lançamento (2008). Neste relançamento em capa dura, com melhor acabamento, é muito mais prazerosa a leitura da origem do monarca da Latvéria. A trama é escrita por Ed Brubaker, que dispensa apresentações… mas mesmo assim, eu farei: trata-se do roteirista que trouxe Bucky de volta da morte e provou que o Capitão América é um herói muito mais interessante do que o povo anti-americano quer fazer crer. Ele faz o mesmo com o Dr. Destino, escarafunchando detalhes na origem do tirano desde sua infância até a tomada do poder na Latvéria, transformando-se no líder da nação. O único problema é o excesso de uso da palavra “destino” no texto, usado sempre que se queria falar sobre a sina do protagonista. Um recurso cansativo e desnecessário. Mas não tira o mérito da história, que é excelente.

Se você tiver saco para chegar até o final desta HQ, vai ter vontade de se vingar dos autores.

Se você tiver saco para chegar até o final desta HQ, vai ter vontade de se vingar dos autores.

Vingança (out/2014) – Numa primeira olhada na capa desta edição, a ideia que se tem é de uma genialidade sem fim: os seis vilões em destaque (Loki, Magneto, Dr. Octopus, Caveira Vermelha, Dr. DestinoMercenário) são os mesmos que tiveram seus encadernados publicados anteriormente. Com isso, dá pra imaginar que a história será algo envolvendo esses seis personagens numa trama de vingança contra os seus algozes super-heróis, correto? Errado. O título trata de uma nova versão da Brigada Juvenil (aquela, que tinha o Rick Jones como líder, lá nos anos 1960) tentando ser relevante. O problema é que o título não mostra a que veio. Uma história mal escrita, com ideias desconexas que não chegam a lugar algum. A breve participação de cada vilão é totalmente “jogada”,  sem sentido e/ou relevância. A narrativa é irregular, com várias ideias querendo ser transmitidas ao mesmo tempo, tornando o roteiro praticamente incompreensível. Resumindo: uma HQ chata, muito chata. Um suplício chegar até o final.

Um retorno glorioso aos quadrinhos

Um retorno glorioso aos quadrinhos

Star Wars – Skywalker Ataca (fev/2017) – Primeiro encadernado da nova série de HQs de Star Wars publicada pela Panini, que compila as seis primeiras edições do título. A trama se passa entre os episódios IV e – logo após a destruição da Estrela da Morte e antes de Darth Vader e os rebeldes se encontrarem pela primeira vez (não me lembro se eles se encontraram no Episódio IV, mas na HQ, é isso que é mostrado). A história, escrita por Jason Aaron, capta o espírito dos filmes e transpõe para o quadrinho com uma fidelidade magistral. História cheia de ação no melhor estilo Star Wars. E vale dizer que a diagramação é tão perfeita que te faz até ouvir a trilha sonora de John Willians. Coleção muito bem vinda na versão encadernada.

Diversão pura!

Diversão pura!

Aranhaverso 8 (Jan/2017) – A revista toma um novo rumo após Guerras Secretas e, ao invés de trazer um herói diferente relacionado ao universo do Homem-Aranha a cada edição, passa a dividir o título com todos eles. Assim, há um novo recomeço para Homem-Aranha 2099, Gwen-Aranha, Teia de Seda, Mulher-Aranha e a estreia dos Guerreiros da Teia, um grupo formado por Homens-Aranha de vários universos diferentes, unidos para proteger as realidades onde não existem aracnídeos. Uma ideia bacana e divertida, que inclui uma divertida ponta do Homem-Aranha do desenho animado de 1967 e a sempre engraçada participação do Porco-Aranha. Leitura pra lá de descontraída.

Magia e humor

Magia e humor

Clássicos do Cinema 55 – Cascão Porker e a Câmera Secreta (Fev/2017) – Mais uma excelente sátira cinematográfica da Turma da Mõnica, cheia de trocadilhos e referências escondidas da cultura pop. A piada está no título e na sonoridade das palavras “câmera” e “câmara” (que, a bem da verdade, muita gente não sabe a diferença do significado, mas que é muito bem explicada nesta HQ). Ótimo roteiro de Flávio Teixeira de Jesus (que faz uma ponta no final da história, junto com o “pai” da turma da Mônica).

Piadinhas infames e diálogos descerebrados.

Piadinhas infames e diálogos descerebrados.

Homem-Aranha & Deadpool 1 (fev/2017) – Sempre considerei o Deadpool uma cópia mal feita do Homem-Aranha. Primeiro, porque o grande piadista da Marvel sempre foi o aracnídeo e Deadpool, originalmente, não fazia piadas, só depois é que começou a bancar o engraçadinho insuportável. Segundo, porque as máscaras dos dois heróis são bem semelhantes (vermelhas, com grandes olhos de contornos pretos e cobrem todo o rosto). Por fim, porque Deadpool foi criado por Rob Liefeld, cujo histórico não é lá uma grande profusão de originalidades. Por ser uma cópia mal feita, nunca será igual ao original, que tem o bom humor nas veias – ou teias, com o perdão do trocadilho. Alguém na Marvel teve a ideia de juntar os dois em um título regular e parece que agradou o público. No Brasil, o título terá uma história de Spider-Man/Deadpool e outra de Mercs for Money, só com Deadpool e outros mercenários tão ridículos quanto. Graça mesmo, não tem nenhuma. Mas se você gosta de piadas infames e diálogos desprovidos de coerência, este é o seu gibi. Boa sorte.

Alfa – A Primeira Ordem já está no Catarse

blog-abreAnunciado desde meados de 2016, o álbum Alfa – A Primeira Ordem começa a tomar forma e inicia a captação de recursos no site Catarse. Acessando o link do projeto, o colaborador pode escolher a melhor opção de apoio, entre as várias disponíveis com valores que vão de 20 a 500 reais. Dependendo do pacote escolhido, há uma série de brindes diferenciados, tais como revista autografada, pôsteres e artes exclusivas, revistas impressas e digitais dos heróis da liga.

Alfa trará uma reunião de heróis nacionais

Alfa trará uma reunião de heróis nacionais

Uma novidade interessante é que os pacotes são nomeados de acordo com sites parceiros. O blog Raio X é um deles, que representa um valor popular (R$ 35,00) e garante a revista autografada, nome do colaborador nos agradecimentos e frete grátis no envio para todo Brasil. O Pacote Raio X conta com 100 apoios disponíveis, dos quais, até o momento, 23 já foram comprados. Para imprimir a revista é necessária uma meta de R$ 20 mil até o dia 21 de abril. Esse montante inclui impressão (25%), produção, pagamento dos artistas e direitos dos personagens (33,3%), logística de entrega e emissão de brindes (28,7%) e taxa do Catarse (13%). A previsão de lançamento do álbum é agosto/2017.

Elenildo Lopes é o criador do projeto.

Elenildo Lopes é o criador do projeto.

Segundo Elenildo Lopes, responsável pelo projeto, para representar o pacote Raio X foi escolhido o herói Blenq, criação de Rod Gonzalez, porque “é a cara do nosso blog”. “Blenq é um herói que vive na Amazônia e ama a natureza”, explicou, considerando que nosso blog tem essa característica social e moralmente correta. O autor esclarece que o álbum teve uma pequena alteração com relação à sua ideia original e foi dividido em duas partes para não exigir demais do colaborador: “O plano era fazer apenas uma edição, mas como isso exigiria um valor maior, decidimos dividir o projeto em duas partes, para não onerar demais os colaboradores. Assim, todo mundo pode colaborar com um valor menor”, explica.

Capitão 7 encabeça a lista de heróis clássicos que estarão na HQ.

Capitão 7 encabeça a lista de heróis clássicos que estarão na HQ.

No entanto, isso não significa que a segunda parte da história terá, necessariamente, outra campanha. Lopes diz que tudo dependerá do valor arrecadado nesta fase: “Se atingirmos um valor superior à meta, a ideia é aumentar as páginas da revista ou, quem sabe, já nem lançar a campanha para o segundo volume”.  O álbum Alfa – A Primeira Ordem terá 52 páginas, formato 16 cm X 25 cm (pouco menor que o formato americano) e impressão colorida em papel couché brilho 115g. O detalhe importante é que a história contará com a participação de mais de 20 super-heróis brasileiros, incluindo clássicos como Capitão 7 (o primeiro super-herói nacional), Raio Negro, Homem-Lua, Capitão Gralha e Flama.

Esse é o vilão da história. Intimidador, não? :-O

Esse é o vilão da história. Intimidador, não? :-O

Na trama, um enorme caos se instalou no País após a invasão alienígena mostrada no álbum Protocolo – A Ordem e os heróis como Capitão R.E.D., Lagarto Negro, Jaguara, Jou Ventania e Velta procuram soluções e respostas para apresentar à população. Ao mesmo tempo, o vilão Aeris, um antigo inimigo dos heróis da Era de Ouro como Capitão 7 e seus amigos, ameaça ressurgir em nossos dias, obrigando a união dos clássicos personagens com a equipe atual, formando a liga Alfa – A Primeira Ordem.

Sketch do herói Flama, no lápis de Márcio Abreu

Sketch do herói Flama, no lápis de Márcio Abreu

Imagens desses personagens na belíssima arte de Márcio Abreu já estão sendo divulgadas, o que garante que a HQ será de encher os olhos. Considerando que o roteiro será escrito por Gian Danton, outro gigante das HQs nacionais, e que o projeto anterior foi premiado este ano com o Troféu Ângelo Agostini na categoria de Melhor Lançamento Independente, só dá para esperar um material de primeira. O blog Raio X torce pelo sucesso da HQ e agradece a parceria nesse processo.  Para colaborar com o projeto pelo Pacote Raio X, clique aqui.

 

Leituras da Semana – Fevereiro (3)

blog-logo-leituras3Na semana de 12 a 18 de fevereiro, as atuais revistas da Totalmente Nova Marvel e alguns encadernados atrasados.

Homem de Ferro e sua nova armadura sem boca em aventuras descoladas

Homem de Ferro e sua nova armadura sem boca em aventuras descoladas

Homem de Ferro 2 (jan/2017) – Ao mesmo tempo em que continua sua caçada à Madame Máscara, agora envolvida com magia, o Homem de Ferro testa as novas habilidades de sua atual armadura, pede ajuda ao Dr. Estranho, tem que lidar com um grupo de ninjas, visita um orfanado e recebe ajuda do Dr. Destino durante um ataque na boate de Mary Jane. Tudo isso em duas histórias. As HQs são dinâmicas, texto leve, gostosa de ler.

Peter Parker percebe que grandes poderes trazem grandes problemas.

Peter Parker percebe que grandes poderes trazem grandes problemas.

O Espetacular Homem-Aranha 3 (jan/2017) – O bacana das histórias em quadrinhos de super-heróis é quando mostram que, mesmo com poderes extraordinários, nem sempre o herói vence. Nisso, o Homem-Aranha é hors-concours. Acostumado a ver seus entes queridos morrendo e sua vida desmoronar e recomeçar a cada novo dia, o aracnídeo conquistou uma legião de fãs que se identificam com essa vida injusta que é de todos nós. Nesta edição, o agora milionário Peter Parker instala uma fonte de energia sustentável numa vila pobre na África, mas percebe que os interesses econômicos podem ser mais invencíveis do que um supervilão assassino. E o Homem-Aranha II (chamarei assim o Homem-Aranha de Miles Morales) enfrenta uma ameaça implacável: sua avó.

A gênese do Monstro do Pântano em sete histórias sombrias.

A gênese do Monstro do Pântano em sete histórias sombrias.

Monstro do Pântano: Raízes – Vol. 2 (dez/2016) – Este segundo volume conclui a participação do roteirista e criador do Monstro do Pântano, Len Wein, no título do personagem. São sete histórias – uma delas com a participação do Batman – que trabalha muito bem o clima sombrio e de terror que as histórias da criatura tentavam imprimir naquela época. Monstros bizarros, seres sobrenaturais, alienígenas… histórias que mexem com o psicológico (naquela época, porque atualmente, são risíveis!), mas com a cara dos quadrinhos de super-herói. Bem legal.

Simplesmente divertida

Simplesmente divertida

Guardiões da Galáxia 2 (jan/2017) – Pensa no Groot contando uma história. Pois é o que acontece nesta edição. Entre as várias entonações de “Eu sou Groot”, o herói arbóreo (ou seja lá como se chamaria uma criatura assim) conta os fatos que o levaram a procurar seu amigo Rocky, dado como morto. O clima bem humorado da história é a marca registrada deste título, que também tem a história solo de Drax na mesma sintonia – quer um exemplo? Tomar cerveja com Terrax, o Dominador num bar intergaláctico até ambos ficarem bêbados – e os Guardiões da Galáxia lidando com Hala, uma kree muito brava porque seu planeta foi destruído. Uma revista bem leve e gostosa de ler, que, efetivamente, não tem histórias muito relevantes para efeitos de cronologia, mas que, ao menos, garantem um sorriso nos lábios.

Aventuras genéricas, bobinhas... e nostálgicas.

Aventuras genéricas, bobinhas… e nostálgicas.

Coleção Oficial de Graphic Novels Salvat – O Invencível Homem de Ferro: O Início do Fim – Ed. XVII (dez/2016) – Para quem pensa que apenas James Rodhes e a atual Riri Willians assumiram o manto do Homem de Ferro, este encadernado traz uma versão do Vingador Dourado que pouca gente conhecia. O arco de histórias mostra uma sucessão de eventos que culminou com a desistência de Tony Stark em ser o herói blindado por conta de seu enfraquecido coração e passando o legado para outra pessoa. São histórias cheias de drama e ação, com um tom inocente e algumas situações totalmente inverossímeis vistas com a mentalidade de hoje mas que, naqueles anos iniciais da Marvel, ninguém dava atenção. O que valia era se divertir. E como a gente se divertia!

Injustiça: universo alternativo melhor que o oficial.

Injustiça: universo alternativo melhor que o oficial.

Injustiça: Deuses entre Nós – Volume 6 (out/2016) – Encadernado que encerra o terceiro ano de histórias do universo baseado no game Injustice: God Among Us. A ação é frenética, o roteiro é bacana e o mais bacana é o fato de envolver exatamente TODOS os personagens do Universo DC, que aparecem na trama conforme a necessidade. Mesmo com a troca de roteiristas (sai Tom Taylor, entra Brian Buccellato), o que ocasionou uma queda na qualidade das histórias, a série mantém um bom nível e, em nenhum momento, se torna cansativa ou passa a impressão de que o roteirista está apenas “esticando” a trama sem ter o que contar. Pelo contrário, a história continua bem desenvolvida. Aguardemos o Ano 4.

Edição dedicada à heroína classe D, Teia de Seda.

Edição dedicada à heroína classe D, Teia de Seda.

Aranhaverso 7 (dez/2016) – Uma heroína desnecessária (Teia de Seda) em histórias divertidas e bem escritas. Apesar de detestar a personagem (mais uma criação do enfadonho Dan Slott), esta edição, que reúne as sete primeiras edições da revista Silk, antes do evento Guerras Secretas, mostram a heroína tentando se encontrar num mundo que ela não compreende, já que ficou 10 anos em hibernação. Entremeadas por flashbacks de sua vida passada, Teia de Seda vai buscando se adaptar aos nossos dias e reencontrar sua família, perdida uma década antes. Não diria que se trata de uma HQ essencial, mas pelo menos, não faz feio no seu objetivo de distrair e divertir.

Edição marca estreia da série do Homem-Formiga.

Edição marca estreia da série do Homem-Formiga.

Avante, Vingadores! 2 (jan/2017) – Embora a capa seja sobre as consequências dos atos do Esquadrão Supremo na última edição – e que me deixaram chocado – a grande destaque deste número da revista é a estreia da nova série do Homem-Formiga. Depois da edição especial (que, inclusive, ficou entre as melhores revistas de 2016, na opinião deste blog), o herói ganha uma série solo bem humorada que mostra os problemas enfrentados pela agência de segurança fundada por ele em Miami, além de ter que lidar com as responsabilidades (e confusões) de sua vida civil. A série dos Supremos revisita a origem de Galactus, Força V convoca mais uma integrante e Capitã Marvel explora o espaço com a Tropa Alfa. Só o “Incrivelmente Sensacional Hulk” é incrivelmente infantil e irritante. Numa tentativa de ser descoladona, a Marvel acabou com um de seus mais icônicos personagens.

 

Marvel lança novo gibi com Homem-Aranha Clássico

blog-abreA Marvel acaba de anunciar via twitter (@Marvel) um novo título para o Homem-Aranha a ser lançado em maio deste ano. Peter Parker: The Spectacular Spider-Man terá roteiros de Chip Zdarsky (Howard, The Duck) e arte de Adam Kubert (Wolverine: Origem II), trazendo as aventuras do Amigão da Vizinhança como ele sempre foi: aquele mesmo, incompreendido, azarado, pobretão, mas com uma vontade enorme de fazer o que é certo. A capa da edição mostra o herói abrindo a camisa e a aranha estilizada sem o brilho neon que caracteriza o aracnídeo atualmente.

Segundo o autor, o título fará parte de uma linha do tempo diferente da revista Amazing Spider-Man, da qual o roteirista Dan Slott  é o titular, que mostra Peter Parker como um empresário multimilionário em um uniforme tecnológico. O título explorará a vivência de Peter na cidade de Nova York, sua família e seus amigos, bem como a relação com seus parceiros super-heróis. Ou seja: exatamente aquilo que esperamos ver no aracnídeo mais amado do planeta.

Leituras da Semana – Fevereiro (2)

blog-logo-leituras2Na segunda semana de Fevereiro, temos ótimas dicas de HQs e encadernados. O destaque fica para a série dos vilões Marvel, cuja leitura incluiu três deles.

A origem de um dos mais cruéis vilões da Marvel.

A origem de um dos mais cruéis vilões da Marvel.

Caveira Vermelha – Encarnado (Jan/2014) – Recentemente adquiri toda leva de encadernados protagonizados pelos vilões da Marvel – por isso o considerável atraso de três anos na leitura. Originalmente uma minissérie em cinco edições publicada nos Estados Unidos em 2011, esta edição caprichada da Panini conta os primeiros anos do jovem Johann Schmidt, antes dele assumir a identidade do cruel vilão que se tornaria o nêmese do Capitão América. A trama, escrita por Greg Pak (que também é autor da ótima Magneto: Testamento – veja nossa crítica dessa edição clicando aqui) mergulha fundo na história do Nazismo e mescla fatos reais da História com a vida de Schmidt, mostrando os acontecimentos que moldaram seu caráter e o levaram a assumir a máscara do Caveira Vermelha. Notas de posfácio apresentam as referências históricas narradas no texto, com bibliografia para os interessados buscarem mais informações. Encarnado é um texto sombrio e perturbador, como foram aqueles anos em que o Nazismo ascendeu ao poder.

Lembra do machado na capa do primeiro número? Aqui tem a explicação.

Lembra do machado na capa do primeiro número? Aqui tem a explicação.

Doutor Estranho 2 (Jan/2017) – O Mago Supremo tem que resolver um problema de invasão de seres místicos que se alimentam de magia… sem sua magia. Duas histórias no estilo “descoladão” que o Dr. Estranho assumiu recentemente e que trazem uma explicação para o machado que o mago portava na capa da edição 1 e que foi motivo de reclamações de fãs menos abertos a mudanças. Já está explicado, gente! Podem ficar calmos…

Edição morna, quase esfriando.

Edição morna, quase esfriando.

Universo Marvel 2 (Dez/2016) – Duas HQs dos Guardiões do Infinito, onde eles descobrem quem é o vilão por trás da misteriosa fortaleza transtemporal e dos aliens invasores. Nova faz uma descoberta bombástica sobre seu pai. A história dos Inumanos também estava interessante, ao contrário da do Venom, que é bem desnecessária. Agora, desnecessária de verdade, são as duas do Torneio de Campeões. A impressão que passa é que se passa numa realidade alternativa, porque heróis morrem e ressurgem em progressão aritmética. Se foi feita para promover o jogo de celular, ficaria melhor numa edição especial, como fizeram com Injustiça, da DC. Torneio é confusa, incoerente e chata, muito chata.

A ninja enfrentando seu maior nêmese.

A ninja enfrentando seu maior nêmese.

Elektra 2 (out/2016) – Edição que termina a série da ninja assassina, mostrando a conclusão do arco iniciado na edição anterior, onde ela se encontra com seu algoz, o Corvo Encapuzado. Neste número, a heroína se torna o alvo dos assassinos da Guilda, que querem se vingar pela traição do Corvo. De quebra, ainda tem que lidar com a volta do responsável por seu maior pesadelo: o Mercenário. Um ótimo arco de histórias, que prende a atenção de tal forma que você não consegue parar enquanto não ler as seis edições que fazem parte do encadernado.

Com um pé na vilania e outro no heroísmo.

Com um pé na vilania e outro no heroísmo.

Magneto – Atos de Terror (jan/2014) – Em mais esse volume protagonizado por um vilão, Magneto é incriminado por um ato terrorista que ele diz que não cometeu. Com a permissão de Ciclope e dos Vingadores, ele passa a investigar o ocorrido a fim de provar sua inocência. São apenas quatro edições na minissérie, com uma leitura rápida e uma história que mostra bem a ambiguidade do personagem. Uma boa trama que vale a leitura.

Edição gratuita, distribuída nas estradas.

Edição gratuita, distribuída nas estradas.

Turma da Mônica – Viajando com Segurança (2016) – Edição educativa feita pela MSP em parceria com a Artesp (Agência de Transportes do Estado de São Paulo) e o Governo do Estado, ensinando dicas de viagem nas estradas como usar cinto de segurança, não ultrapassar a velocidade permitida, ligar os faróis baixos e outros. Uma iniciativa que Mauricio de Sousa tem há muitos anos e que é sempre bem vinda para ensinar as crianças de forma divertida.

Os primeiros anos de um dos maiores inimigos do Homem-Aranha.

Os primeiros anos de um dos maiores inimigos do Homem-Aranha.

Doutor Octopos – Origem (jun/2014) – Como diz o título, narra a origem do Doutor Octopus, passando por momentos em sua infância e juventude e mostrando as motivações que o levaram a se tornar um gênio do crime. A história não é tão boa, mas está longe de ser cansativa. Apresenta pouca coisa nova, mas acerta em mergulhar no psicológico do vilão. Uma coisa que chama a atenção é a ausência de teias no uniforme do Homem-Aranha, exceto sua máscara, luvas e botas, talvez uma homenagem do desenhista Kaare Andrews ao clássico desenho animado da década de 1960.