Star Wars encerrou sua terceira trilogia em dezembro passado e, mesmo com as inúmeras críticas negativas e algumas centenas de fãs furiosos, ninguém pode negar que a franquia modificou a história do cinema. É bem verdade que, enquanto o avanço da tecnologia permitiu uma melhoria na qualidade dos efeitos especiais, essenciais para a saga espacial, por outro lado, houve uma considerável queda nos roteiros, que não conseguiram manter o clima da trilogia original. Mas isso não impediu a franquia de ultrapassar as gerações e fazer fãs (e “fã-náticos”) ao redor do mundo.

A Força está com eles.

Mesmo com os parcos recursos do final dos anos 1970, George Lucas criou uma história apaixonante, mágica, cheia de metáforas e, incontestavelmente, inesquecível. Graças aos episódios IV – Uma Nova Esperança (1977), V – O Império Contra-Ataca (1980) e VI – O Retorno do Jedi (1983), estamos ainda hoje, consumindo Star Wars em todas as mídias: cinema, literatura, animações, quadrinhos, games e onde mais o logotipo da série puder ser impresso.

George Lucas e o elenco da trilogia original.

Obviamente, quando idealizou sua saga espacial, Lucas não tinha nenhuma previsão do que ela iria se tornar e sua pretensão era, como qualquer cineasta, fazer um filme que divertisse a plateia e, claro, arrecadasse uns “trocados” (no caso de SW, elevados à enésima potência). Sem saber que seu filme seria um sucesso estrondoso, o diretor criou uma trama aberta para uma possível continuação, mas fechada em sua história, com a vitória final dos mocinhos contra os vilões. Alguns personagens nem foram totalmente desenvolvidos e até cortados na montagem final por restrições de orçamento.

Na cena original deletada, Jabba era humano. Na remontagem de 1997, já tinha sua tradicional cara de lesma.

É o caso de Jabba, o Hutt, que hoje sabemos se tratar de um alienígena parecido com uma enorme lesma, com olhos enormes e corpo gelatinoso. Mas originalmente, Jabba foi idealizado como um humano, interpretado pelo ator Declan Mulholland, que filmou uma cena para o Episódio IV, na qual aparece dialogando com Han Solo (Harrison Ford) para cobrar sua dívida com o mercenário. A ideia do diretor era substituir o ator por um personagem feito em stop motion na edição final, mas por conta do tempo e orçamento curtos, a cena foi deletada. Em 1997, Lucas lançou uma nova versão da saga, acrescida de novos efeitos digitais, ele incluiu a cena na nova versão do Episódio IV.

Jabba, o Hutt, na interpretação de Howard Chaykin.

Star Wars ganhou uma versão em quadrinhos pela Marvel apenas dois meses depois de sua estreia no cinema, baseada no roteiro original de George Lucas, onde consta a cena do diálogo entre Jabba e Solo. A curiosidade é que, como o personagem ainda não estava bem definido, o desenhista Howard Chaykin o fez com a aparência de um macaco misturado com morsa, trajando uma farda militar. A imagem foi publicada em Star Wars 2 (agosto de 1977).

Segunda aparição de Jabba nos quadrinhos.

Ele tornou a aparecer em Star Wars 28 (outubro de 1979) para depois cair no limbo do esquecimento. Para a trama, o personagem nem tinha tanta importância: era apenas um credor a quem Solo devia uma quantia em dinheiro e a questão ficou meio resolvida ali mesmo, no Episódio IV: Solo matou Greedo, capanga de Jabba que veio fazer a cobrança, e fugiu, deixando a dívida pendente, como qualquer mercenário esperto faria. No cinema, porém, a história da dívida foi sendo trabalhada e Jabba fez sua primeira aparição em O Retorno do Jedi, já com a aparência que conhecemos. A quadrinização do filme também mostra Jabba com o mesmo visual do cinema.

Jabba em uma HQ dos X-Men? Ah, então está explicado: ele é um mutante capaz de mudar de aparência!

Mas o que aconteceu com o personagem com cara de macaco-morsa? Sofreu uma plástica? Metamorfose? Mutação genética? Tanto a Marvel quanto George Lucas fazem cara de paisagem, fingindo que nada aconteceu e deixando uma curiosa e divertida caracterização de um personagem numa das mídias que expandiram o universo de Star Wars além das telas. Uma última curiosidade: ele fez uma breve aparição ao lado de Bobba Fett na revista X-Men 245 (junho de 1989), durante uma reunião de raças alienígenas que preparavam uma invasão ao planeta Terra. Trata-se de uma homenagem do roteirista Chris Claremont à saga espacial que atravessou as décadas e permanece como uma das marcas mais lucrativas do mundo do entretenimento.

(Agradecimentos ao amigo Júnior Batson pela sugestão da pauta. Que a Força continue sempre com você!)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s