Leituras da Semana – Maio (4)

Para encerrar o mês de maio, muitas leituras, incluindo os segundos números de Renascimento, da DC. Mas tem muita coisa da Marvel também, como a inesquecível saga do Capitão Marvel contra Thanos, pelas mãos do cósmico Jim Starlin. E, pra rir um pouco, a Turma da Mônica também entra no clima de super-heróis e faz uma paródia de Vingadores – Era de Ultron.

“Meu horóscopo me diz que hoje é um bom dia para enfrentar supervilões.”

O Espetacular Homem-Aranha 6 (abr/2017) – Na conclusão da saga do Escorpião (do Zodíaco, não o velho inimigo rabudo do Cabeça-de-Teia), nosso Amigão da Vizinhança vai usar toda sua tecnologia e influência mundial para se antecipar ao vilão. A terceira HQ da revista deixou de lado o Aranha Ultimate e trouxe uma história extra do Aranha tradicional resolvendo um misterioso caso sobrenatural. São boas histórias, mas a sensação é de que o Homem-Aranha não é mais o mesmo herói carismático de antes.

Sátira aos heróis da Marvel

Clássicos do Cinema Turma da Mônica 56 – Os Vingadoidos: A Era de Sanson (mai/2017) – Mais uma paródia super-heróica cheia de referências a diversos filmes da Marvel – e, creiam, o roteirista Flávio Teixeira de Jesus vai além do filme em questão e inclui personagens nada a ver para não perder a piada. E não perde, pois a trama é hilária. As principais cenas do segundo longa dos Vingadores estão lá – como a briga do Hulk contra o Homem de Ferro usando a armadura Hulkbuster, por exemplo – mas a história segue por outro rumo, como só a Turma da Mônica poderia fazer.

Histórias épicas de Jim Starlin

A Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel – A vida e a Morte do Capitão Marvel – Parte 1 (abr/2017) – Para os leitores mais antigos, as histórias deste encadernado fazem parte do primeiro volume de A Saga de Thanos, coleção em cinco edições em formatinho publicada pela Editora Abril em 1992. Metade dele também foi republicado na Coleção Histórica Marvel Os Vingadores 1. No entanto, nada como (re) ler essas histórias em formato original e papel de qualidade, sem os tradicionais cortes que a editora fazia – muito embora há que se elogiar a louvável iniciativa de publicar toda a história de Thanos até aquele momento em uma coleção inédita. Um grande serviço da Editora Abril, prestado aos leitores, que a Panini poderia copiar. A capa dura também é uma vantagem em comparação à Coleção Histórica. E convenhamos: sempre é bom ver Jim Starlin em início de carreira, dando ao Capitão Marvel uma relevância como ele nunca teve até então, que culminaria na melhor história do personagem já escrita. Mas isso é assunto para o outro volume.

Um recomeço para a Liga da Justiça.

Liga da Justiça 1 (abr/2017) – No renascimento da Liga da Justiça, histórias rotineiras na vida da equipe, como defesa do planeta de ameaças interplanetárias. A primeira HQ desta edição mostra os heróis contra um alien capaz de dominar mentes – referência a Starro, talvez? – e tem um final inspirador. Na segunda história, de temática semelhante, a Liga ainda se adapta à morte do “Superman Novos 52” e ainda desconfia do outro Superman que surgiu na cidade. Não há, de fato, uma grande mudança editorial nas HQs da equipe, que justifiquem o título “renascimento”, mas as histórias são de qualidade, o que já significa muito.

Ajuda maravilhosa

Action Comics 2 (mai/2017) – Para lutar contra o Apocalypse, Superman conta com uma ajuda de peso: Mulher-Maravilha. A dinâmica com o novo Clark Kent (de onde ele veio?), Luthor (novo herói?) e o pequeno Jonathan, filho do Superman, é bem interessante e torna a leitura bastante envolvente.

Ameaça ou aliado?

Superman 2 (mai/2017) – Enquanto o Superman salva um submarino encalhado com a ajuda de Jon, o garoto deixa uma gota de sangue no solo. É o suficiente para que o Erradicador se desenvolva a partir do DNA kryptoniano e se torne uma nova ameaça a ser enfrentada pelo Homem de Aço. Duas HQs de ótima qualidade, com muita ação e mistério.

A origem da Mulher-Maravilha recontada

Mulher-Maravilha 2 (mai/2017) – Esta edição revisita a origem da Princesa Amazona, no arco Mulher-Maravilha Ano Um, cuja história alterna com a busca de Diana pelo seu passado na história que se passa nos dias atuais. Nesta HQ, ela pede ajuda à sua maior inimiga, a Mulher-Leopardo.

Os campeões de Gotham

Batman 2 (mai/2017) – Batman investiga a vida dos novos heróis de Gotham City: Gotham e Gotham Girl – que têm parte de suas origens reveladas e estão intimamente ligadas à própria origem do Homem Morcego. Tramas bem escritas, recheadas de mistério, suspense e aquele clima detetivesco que só o Batman tem.

Salvat anuncia expansão da Coleção Vermelha

Já era esperado… mas agora é oficial. Conforme tínhamos noticiado aqui, a coleção Os Heróis mais Poderosos da Marvel – gentilmente chamada pelos leitores de “Coleção Vermelha” – ganhou uma expansão com mais 40 volumes no exterior. Ontem, a Salvat anunciou, em sua página do Facebook, que essa extensão também será publicada por aqui, aumentando de 60 para 100 fascículos na coleção.

Extensão terá histórias clássicas inéditas no Brasil e outras em primeira republicação.

O primeiro volume (de número 61) o destaque será o Deadpool. A lombada também aumentará a imagem da arte de Adi Granov, destacando personagens como Mulher-Hulk, Nova, Senhor das Estrelas, Mulher-Aranha e, claro, o próprio Deadpool. É importante destacar que, embora a lista traga alguns personagens bastante obscuros e desconhecidos – caso dos Fugitivos, Vingadores Pet e Union Jack – muitas histórias clássicas terão sua primeira publicação no Brasil, como a Graphic Novel 4 (1982), que marcou a estreia dos Novos Mutantes nos EUA. Outras, serão republicadas pela primeira vez depois de vários anos – caso das HQs dos Fugitivos, Jovens Vingadores, Manto e Adaga entre outros.

Anúncio oficial da Salvat no Facebook

Veja abaixo os fascículos previstos, na ordem em que foram publicados lá fora (no Brasil poderá haver alterações nesta sequência). A coleção ainda está em circulação na Inglaterra e, por isso, os fascículos 94 a 100, ainda não tiveram seu título divulgado, mas atualizaremos esta tabela tão logo surjam novidades.

Nº. Título HQs originais
61 Deadpool Deadpool: Suicide Kings 1-5
New Mutants 98
62 Soldado Invernal Winter Soldier: The Bitter March 1.NOW-5
Captain America (Vol. 5) 6
63 Geração X Generation X 1-6
64 Jessica Jones The Pulse 1-5
New Avengers Annual 1
65 Senhor das Estrelas Annihilation: Conquest – Star-Lord 1-4
Marvel Preview 4
Star-Lord: Special Edition 1
66 Scott Lang: Homem-Formiga Fantastic Four (Vol. 2) 1-7
Marvel Premiere 47-48
67 Máquina de Combate War Machine (Vol. 2) 1-5)
Iron Man 281-285
68 Elektra Daredevil 174-181
Daredevil 168
69 Os Invasores Giant-Size Invaders 1,
Invaders (vol. 1) 1-6
Marvel Premiere 29-30
70 Garota-Aranha Spider-Girl 1-7
What If? (vol. 2) 105
71 Cavaleiro da Lua Moon Knight (vol. 5) 1-6
Werewolf by Night 32
72 Rocket Racum Rocket Raccoon (vol. 1) 1-4
Incredible Hulk 271
Marvel Preview 7
73 Vingadores da Costa Oeste Avengers: West Coast 89-91
West Coast Avengers 1-4
74 Hulk Vermelho Hulk (vol. 2) 22-24
Hulk (vol. 2) 42-46
75 Fugitivos Runaways 1-6
76 Capitão Britânia Captain Britain & MI-13 1-4
Captain Britain 1-2
Marvel Team-Up 65-66
77 Sentinela Sentry 1-5,
Sentry: Fantastic Four,
Sentry: Spider-Man,
Sentry: Hulk,
Sentry: X-Men,
Sentry: The Void
78 Academia Vingadores Avengers Academy 1-6
Enter The Heroic Age 1
79 Nova Annihalation: Nova 1-4
Nova (Vol. 1) 1-4
80 Vingadores: Grandes Lagos G.L.A. (Vol. 1) 1-4
West Coast Avengers (Vol. 2) 46
81 Mulher-Aranha Spider-Woman (Vol.4) 1-7
Marvel Spotlight #32
82 Jovens Vingadores Young Avengers Presents (Vol. 1) 1-6
Young Avengers (Vol. 1) 1
83 Mulher-Hulk Sensational She-Hulk 1-8
Savage She-Hulk 1
84 Novos Mutantes The New Mutants (Vol. 1) 18-21
Marvel Graphic Novel 4
85 Vingadores Pet Lockjaw and the Pet Avengers (Vol. 1) 1-4
Avengers vs. Pet Avengers (Vol. 1) 1-4
86 Manto e Adaga Cloak & Dagger 1-4
Peter Parker, The Spectacular Spider-Man 64
87 Union Jack Union Jack (vol. 2) 1-4
Union Jack 1-3
88 Homem-Aranha 2099 Spider-Man 2099 (vol. 2) 1-5)
Spider-Man 2099 (vol. 1) 1-3 e parte do material de Amazing Spider-Man (vol. 3) 1
89 Novos Guerreiros New Warriors 1-6
The Mighty Thor 411-412
90 Excalibur Excalibur 1-5
Excalibur Special
91 Venom (Flash Thompson) Venom (Vol. 2) 31-35
Amazing Spider-Man 574
Venom (Vol. 2) 1
92 Tropa Alfa Alpha Flight (vol. 1) 1-6 e parte do material de Alpha Flight (vol. 1) 7-8
X-Men 120
93 Homem-Aranha Ultimate Spider-Men 1-5
Ultimate Comics Spider-Man (vol. 2) 1
e parte do material de Ultimate Fallout 4
94 A divulgar  
95 A divulgar  
96 A divulgar  
97 A divulgar  
98 A divulgar  
99 A divulgar  
100 A divulgar

Novidade: Raio X, agora no Facebook!

A partir de agora, estamos também no Facebook. No dia em que se comemora o Dia do Orgulho Nerd (25 de maio), inauguramos uma fanpage na rede social para compartilhar notícias e informações com mais agilidade e atingirmos um público muito maior, uma vez que o Facebook é a rede social com maior número de usuários – mais de 1 bilhão de contas ativas (dados de 2016, divulgados pelo site de notícias G1).

Se você é fã da cultura pop, se gosta de saber sobre os últimos lançamentos em histórias em quadrinhos, quer saber mais sobre as estreias de cinema, com críticas em vídeo, se adora ver séries de TV e é um leitor compulsivo de obras literárias, clique neste link e curta nossa página. Mostre que você também tem orgulho de ser nerd!

 

Leituras da Semana – Maio (3)

Nesta terceira semana de maio, o destaque são vários encadernados, com excelentes fases dos personagens. São edições perfeitas para se conhecer o passado dos heróis e descobrir momentos inesquecíveis que definiram suas trajetórias e os transformaram em verdadeiros ícones da cultura pop.

Clássico é clássico.

Homem-Aranha – A Coleção Definitiva 2 – A Saga Original do Clone (mai/2017) – Quando se fala em Saga do Clone, a maioria dos fãs do Homem-Aranha torce o nariz, porque lembra de uma trama longa, confusa e que desconcertou todo o universo do herói aracnídeo. Mas a história que deu origem à esta saga absurda é fantasticamente boa e inteligente. Idealizada por Gerry Conway, um dos mais importantes roteiristas do Aranha – criador do Justiceiro e autor da morte de Gwen Stacy entre outras histórias espetaculares -, a Saga Original do Clone é uma história ágil, criativa, bem conduzida, cujos fatos levariam a uma conclusão lógica. Isso, claro, se algum roteirista maluco não resolvesse resgatar o roteiro e… bem, vocês sabem. E, se não sabem, melhor continuar sem saber. Leia este encadernado, curta a genialidade dos roteiros, os vilões excepcionais (Justiceiro, Chacal, Ciclone, Escorpião, Tarântula…) e termine com a sensação de ter um verdadeiro clássico em mãos, muito superior às duas edições anteriores desta coleção.

O essencial da Princesa Amazona

Lendas do Universo DC – Mulher Maravilha de George Pérez – Vol. 2 (mar/2017) – Que esta fase da Mulher-Maravilha é excepcional, já disse na crítica do volume 1 (leia aqui). Este volume, porém, tem alguns leves defeitos que, na minha opinião, o tornam inferior ao anterior. A primeira história, por exemplo, escrita em forma de textos ilustrados, é uma quebra na narrativa tradicional das histórias em quadrinhos e não há como negar sua originalidade. Porém, os textos longos e o uso de fontes diferentes (e pequenas) para cada interlocutor dificulta um pouco a leitura. A segunda HQ, que mostra o primeiro confronto da heroína com a Mulher-Leopardo, fecha o arco começado no volume anterior, mas também não empolga. Porém, o arco seguinte, que mostra Diana realizando várias tarefas para os deuses gregos – provavelmente inspirada na lenda dos Doze Trabalhos de Hércules – recupera o ritmo e fecha o encadernado com chave de ouro. Um material que dá gosto de ler e guardar para sempre.

Estreia da nova série “Aranha”, que tenta ser engraçada.

Aranhaverso 10 (mar/2017) – O destaque desta edição é a estreia de Aranha, uma série babaquinha que é uma espécie de Homem-Aranha Ano 1. É babaquinha porque está no clima da Marvel atual que é de “vamos fazer uma piadinha a cada diálogo” e não traz nada de novo á mitologia do herói (ainda bem, diga-se de passagem! Chega de retcons inúteis!), tornando-a desnecessária. Boas são as HQs do Homem-Aranha 2099 e da Mulher-Aranha, em seus últimos momentos de gravidez (que também tem o estilo engraçadinho, mas coloca a heroína em situações tão ridículas que são, sim, divertidas). Os Guerreiros da Teia, Teia de Seda e Gwen-Aranha também são boas histórias, mas são do tipo que ninguém mais vai lembrar depois que fechar a edição.

 

 

 

Leituras da Semana – Maio (2)

Com um pequeno atraso, seguem as leituras da última semana, as quais incluem três encadernados recentes, com um deles republicando HQs clássicas do final da década de 1980.

Uma aula de como ridicularizar personagens

Luke Cage e Punho de Ferro 1 (abr/2017) – Há dois tópicos a se considerar nessa HQ que traz de volta uma união dos heróis que fez grande sucesso nos anos 1970. Primeiro, a química entre os personagens, diferentes por concepção – um é loiro, rico, disciplinado e lutador de kung fu, com poder de centralizar seu chi – a força vital do ser humano – no seu punho e torná-lo tão forte quanto o ferro; o outro é seu oposto: negro, morador de um bairro pobre, ex-ladrão de rua, bruto e com a pele invulnerável – , funciona perfeitamente bem. Por isso, é sempre bom vê-los unidos nesta clássica parceria. As seis histórias são bem humoradas e apelam para o lado irônico da relação entre eles, com diálogos escrachados o tempo inteiro. Nesse ponto, positivo, o encadernado é bacana. O segundo tópico, porém, o buraco é mais embaixo: tem se tornado uma tendência nos quadrinhos da Marvel a ridicularização dos personagens. Antigamente (pronto, senta que lá vem papo de velho!), o único “engraçadinho” era o Homem-Aranha. Mas era a característica do herói e a gente não reclamava porque não faltava ação, drama e emoção nas histórias. Hoje, todo personagem quer ser candidato a uma vaga nA Praça é Nossa e perde sua característica. A velha função de contar uma história que mostre o bem sempre vencendo o mal e ensine que o crime não compensa não existe mais. Hoje, os roteiros primam por ridicularizar os heróis e mostrar que superpoderes são bobagens que não existem na vida real, em histórias vazias e esquecíveis assim que você vira a quarta capa da edição. Em suma, os personagens viraram versões humanas do Pato Donald e companhia. Nesse sentido, me incomodou bastante a descaracterização do Punho de Ferro (um crianção tagarela e retardado, coisa que ele nunca foi) e Luke Cage (o “pé-no-chão” da dupla e, por isso mesmo, ranzinza e resmungão). Ou seja: a revista é divertida, mas é retardada. E ainda tem outro volume vindo aí.

Um álbum feito com o coração sertanejo

Graphic MSP 15 – Chico Bento: Arvorada (abr/2017) – Segundo volume da coleção dedicada ao caipirinha, desta vez a história foge do humor e do realismo fantástico da edição escrita por Gustavo Duarte (veja a nossa crítica aqui) e, nas mãos do quadrinhista Orlandeli, ganha um ar mais lúdico e sensível, sem esquecer do clima bem humorado que é característica do personagem. Com grande simplicidade e uma genialidade incomum, a história viaja por vários tons de narrativa: ora assume um clima descontraído como uma brincadeira de criança para, logo em seguida cair no teor sério de um acontecimento da vida e segue pelo reino da fantasia com a inclusão dos conhecidos personagens das lendas interioranas, tudo conduzido com maestria e sem destoar o roteiro. A arte também contam a história e são de uma beleza e sensibilidade ímpar. Ao final, temos um álbum lindíssimo que entra no ranking das melhores GMSP já lançadas e forte candidata a prêmios literários. Imperdível!

Segredos do passado dos vilões são revelados

Origens Secretas: Os Maiores Vilões de Gotham (abr/2017) – Um produtor de TV resolve “ouvir o outro lado” e, apesar de um aviso noturno do Batman (como só ele é capaz de dar) sobre os perigos da empreitada, realiza um programa entrevistando pessoas ligadas aos principais vilões de Gotham, que contam suas origens. Assim, o leitor fica sabendo de detalhes do passado do Pinguim, Charada e Duas-Caras. Em outra HQ com temática semelhante, um agente do Governo faz uma entrevista com a Hera Venenosa na prisão para saber se ela tem potencial de ingressar no Esquadrão Suicida. A última HQ não tem a ver com origem de nada, mas mostra o Coringa e o Batman participando de uma filmagem do que parece ser uma série de TV. Roteiro nonsense e nada a ver, só pra colocar o Coringa na roda, afinal, ele é o principal nêmese do Batman e não podia faltar na seleção de histórias. De um modo geral, o encadernado é bacana, com leitura rápida (são apenas 92 páginas), mas nada que mereça muitos aplausos – muito embora seja um material bem superior ao que se tem nas bancas atualmente.

Piratas do Caribe 5: Jack Sparrow perde sua voz

No dia 25 de maio, estreia nos cinemas de todo Brasil o filme Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar (Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales, 2017), quinto filme da franquia, novamente trazendo o astro Johnny Depp na pele do pirata Jack Sparrow. Desta vez, porém,  os fãs da franquia terão uma voz diferente para o personagem, visto que o dublador Marco Antônio Costa – voz oficial de Johnny Depp no Brasil desde os tempos de A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 1984) – foi afastado do papel que exercia há tanto tempo.

A polêmica se espalhou pelas redes sociais, com centenas de fãs revoltados pela decisão da Disney em trocar a dublagem justamente no último filme da franquia (e, como se não bastasse, Costa dubla os trailers, que estão em exibição nos cinemas). Por isso, convocamos nosso parceiro Júnior Batson, um entusiasta e verdadeiro fã de dublagem, para escrever esta matéria sobre os bastidores dessa briga. Em sua estreia em nosso blox, Batson usou a sabedoria de Salomão e a velocidade de Mercúrio para ir atrás de Costa e trazer mais informações sobre os fatos, a fim de esclarecer a boataria que circula pelas redes. Assim sendo, passamos a palavra a nosso colaborador e seu entrevistado.

Dando uma passadinha na escola mutante para deixar meu artigo.

Cale a boca, pirata!

(por Júnior Batson)

Que o Capitão Jack Sparrow incomoda muita gente no universo da franquia Piratas do Caribe, todo mundo sabe. O que ninguém esperava é que conseguissem calá-lo, ou, ao menos, tirar sua clássica voz de circulação. Seria um embuste de algum ressentido vilão? Algum emissário da Companhia das Índias Orientais que teve êxito nessa tarefa? Não! A responsável por tal façanha foi a própria Disney! Conflitos de entendimento de cachê impossibilitaram a escalação do dublador Marco Antônio Costa, já consagrado como a voz de Johnny Depp, tanto nos filmes da franquia Piratas do Caribe como nos outros filmes protagonizados pelo ator (o artista dubla a voz de Depp desde seu debut no cinema  também na tevê, na série Anjos da Lei (21th Jump Street, 1987-1990).

Marco Antônio Costa é (ou era) a voz oficial de Jack Sparrow no Brasil

Segundo Costa, ele foi substituído na escalação do elenco de dublagem de Piratas do Caribe – A vingança de Salazar, o quinto filme da franquia, por ter solicitado um cachê diferenciado para exercer o papel. O dublador reclama de uma certa arbitrariedade por parte dos Estúdios Disney com relação à classe: pagam R$ 80 mil a um youtuber famoso que fica apenas 40 minutos dentro de um estúdio, enquanto se recusam a pagar um cachê diferenciado (mas infinitamente menor) a um dublador já consagrado, que, além de estar contribuindo ainda mais para a popularidade do personagem e com a divulgação do filme, gasta, em média, oito horas de trabalho.

O último filme da franquia terá um pirata com voz diferente das anteriores

A mesma situação quase aconteceu em 2007, por ocasião da dublagem do terceiro episódio da franquia, mas Costa conseguiu chegar a um acordo com a Disney. No entanto, ficou sabendo que o dublador alemão Marcus Off (que também faz a voz de Depp naquele país) foi vítima de um boicote semelhante e processou a empresa por isso. Segundo Off, a Disney não considera os dubladores como parte do elenco de artistas criativos e apenas paga o que é tabelado. Porém, conseguiu que a Suprema Corte alemã decidisse a seu favor, chancelando que o dublador realmente faz parte do processo criativo de um filme.

Minha cara, quando trocam a dublagem do meu personagem preferido.

Causa ganha, mas houve uma consequência: Off foi colocado numa espécie de lista negra entre os grandes distribuidores cinematográficos norte-americanos e em um dos estúdios de dublagem alemães. Costa reconhece como louvável a atitude do dublador alemão e diverte-se ao dizer que, caso também seja boicotado de alguma forma, entrará em contato com o colega de trabalho alemão a fim de tirar algumas dúvidas sobre como tomar atitudes legais.

É uma prática comum usar nomes que estão na mídia para ganhar popularidade. Michel Teló dublou uma frase de “Universidade Monstros”

Quanto ao filme, é reconhecido o aumento da procura por produções dubladas nos cinemas nacionais, assim como o aumento da qualidade da dublagem em si, seja com traduções bem feitas ou com elencos bem escalados. O que, no ramo da dublagem, é chamado de “boneco” (atores ou personagens majoritariamente dublados pela mesma pessoa) também tem sido honrado e é de se estranhar uma empresa do porte da Disney não concordar com o pagamento de um cachê que valorize esses profissionais com tantos anos de experiência.

Outros atores e personagens dublados por Marco Antônio Costa

Para Costa, o valor pedido não é abusivo nem fora do praticado no mercado, mas apenas o que considera justo por seu trabalho. “Poxa, se um youtuber tem 10 milhões de seguidores, Jack Sparrow tem muito mais. Creio que mais de 30 milhões de pessoas já assistiram ao Jack Sparrow com a minha voz! Então, em comparação, tenho mais “seguidores”, apenas não fico no You Tube perdendo tempo porque sou muito ocupado, pois além de dublador, sou locutor e ainda atuo como médico”, determina ele. A Disney foi procurada, por meio de sua assessoria de Imprensa, para dar sua versão para o caso, mas não respondeu aos nossos emails.

Crítica: Alien: Covenant

Estreia no dia 11 de maio o novo filme da franquia Alien (o oitavo, contando com os quatro principais, mais dois versus Predador e o prelúdio Prometheus, de 2012). O longa Alien: Covenant é a continuação direta de Prometheus (leia nossa crítica aqui) e se passa vários anos após a história, mas ainda antes do primeiro Alien, o Oitavo Passageiro (1979). O diretor, novamente, é Ridley Scott.

Cotação: