Leituras da Semana – Abril (2) e (3)

Com o Festival Guia dos Quadrinhos acontecendo na semana passada e a Semana Santa tomando todo tempo disponível, a postagem de domingo passado precisou ser adiada. Hoje, fazemos uma postagem englobando as leituras das duas semanas, com muitas novidades das bancas.

Ele não tem moto… mas se chama motoqueiro. #vergonhaalheia

Motoqueiro Fantasma 1 (mar/2017) – Datada de 2014, esta HQ chega com três anos de atraso, e uma tradução mal feita da Panini. Leia nossa crítica completa clicando aqui.

Edição (quase) perfeita

Turma da Mônica Jovem (nova série) 4 (mar/2017) – Depois de um encontro histórico em duas partes (leia tudo sobre essa HQ aqui e aqui) publicado nas edições 43 e 44 (2012), a Turma Jovem volta a se encontrar com Safiri, desta vez numa aventura que se passa na Terra de Prata, lar da princesa criada por Osamu Tezuka.  A história leva Mônica e seus amigos ao reino de Safiri para comemorar os 15 anos da heroína, em cuja festa ela deve renovar os votos de proteger o país e manter o legado de seus pais. No entanto, uma ameaça promete estragar a festa e impedir o “príncipe” de cumprir seu destino. Para quem conhece o anime A Princesa e o Cavaleiro, vai sentir o mesmo clima de ação da série, com personagens conhecidos e a mesma personalidade vista no desenho. Uma história brilhante e repleta de saudosismo, que só se estraga no final, com uma mensagem faminista jogada na cara dos leitores. Não teria nada demais se a mesma roteirista não fosse responsável por outra polêmica nas HQs da TMJ pelo mesmo motivo, o que leva à conclusão de que não foi acidental ou um ato inocente, mas um texto proposital. E daí? Daí que a Turma da Mônica e Safiri são maiores do que essas ideologias e não precisam desse tipo de premissa, visto que ambas as personagens, por si só, já levam à reflexão sobre o poder e a igualdade da mulher. Totalmente desnecessário manchar uma HQ que tinha tudo para ser perfeita. Mauricio de Sousa não merece isso em suas revistas.

promocional bacana

Preview Especial – Os Novos 52 (ago/2013) – Uma das aquisições no Festival Guia dos Quadrinhos, essa edição especial foi uma introdução à saga Guerra da Trindade, publicada em Liga da Justiça 22-24 e Constantine 3-4, entre março e maio de 2014. A HQ, de apenas 16 páginas, mostra a entidade Pandora em busca da mitológica Caixa de Pandora para redimir seu maior crime: ter liberado o mal na Terra. É um material até interessante, considerando se tratar da fase Novos 52.

De protagonista a coadjuvante sem perder o encanto.

Doutor Estranho 4 (mar/2017) – Ao invés de duas histórias do Mago Supremo, esta edição traz apenas uma história, que apresenta vários magos do Universo Marvel enfrentando a ameaça do Empirikul, o destruidor de magia. A história é tão boa, que consegue transformar o protagonista da revista num coadjuvante com aparição em pouquíssimas páginas e, mesmo assim, manter um nível excelente. Além, claro, de trazer um humor refinado que cabe como uma luva na temática. Excelente!

Thora em HQs de alto nível

Thor 2 (mar/2017) – Thor e Loki se encontram num bate-papo amistoso, enquanto Malekith invade o reino dos Elfos e Odin julga sua esposa Freyja por traição. Todos os peões se juntam num clímax que deixa o leitor ansioso para a próxima edição. Embora o conceito da Thor mulher seja um tanto incômodo (não pelo fato de ser mulher, mas pela forma como foi apresentado – Thor se torna indigno de forma inexplicada, vira um babaca, assim como seu pai, que passou de um deus sábio e bondoso num velho tirano, ignorando anos e anos de nobreza com que foram criados), há que se considerar que as HQs estão com um ritmo muito bom.

Aventura no Japão

Homem de Ferro 4 (mar/2017) – O Homem de Ferro e o Máquina de Combate se unem a um certo herói aracnídeo no Japão para enfrentar uma vilã capaz de controlar a tecnologia dos heróis. E Mary Jane Watson começa a trabalhar nas Indústrias Stark – ou será que não? HQ dinâmica, texto gostoso e a química entre os heróis proporciona ótimos momentos.

Fase que marca início da carreira de Neal Adams

Coleção Oficial de Graphic Novels Salvat XV: X-Men – O Crepúsculo dos Mutantes (out/2016) – Pouco antes do título dos X-Men ser cancelado nos anos 60, o desenhista Neal Adams participou da revista e deixou sua marca numa fase marcada por novos mutantes – Destrutor, Polaris, Monolito Vivo – e o retorno dos Sentinelas. Este encadernado resgata essa fase que, embora tenha suas incoerências de roteiro, também é repleta de ação frenética e drama que era bem comum nas HQs dos mutantes. Não é uma leitura excepcional, por vezes, pode soar até mesmo datada… mas é uma importante fase dos heróis que merece, ao menos, ser conhecida.

Jogando a personalidade do herói no lixo.

O Espetacular Homem-Aranha 5 (mar/2017) – Em duas HQs, o Aranha conclui a trama em que enfrenta o Senhor Negativo e inicia outra, em que vai ao espaço sideral para hackear um satélite e descobrir o paradeiro do Escorpião (não o antigo inimigo do aracnídeo, mas aquele que é membro do Zodíaco). O problema está na palhaçada que o roteirista Dan Slott faz com o herói, mostrando-o caindo do espaço rumo à Terra, sem uma espaçonave, com pouca teia e caindo no meio dos Estados Unidos sem sofrer um único arranhão. Sério: estamos falando do Homem-Aranha, não do Hulk ou do Homem de Ferro, que tem sua armadura para protegê-lo! Ridículo! E nem adianta dizer que o uniforme tecnológico atual o protegeu, porque ele rasgou na reentrada da atmosfera. A questão é uma descaracterização do personagem nas mãos do “genial” Slott. Uma ofensa à inteligência.