Saído do Forno: Dr. Estranho

blog-abreAproveitando o sucesso cinematográfico do filme Dr. Estranho, a Panini acaba de lançar um título estrelado pelo Mago Supremo. Não é a primeira revista que tem o místico como protagonista: em 1972, ele foi o personagem-título da revista Dr. Mistério (sim, ele era chamado assim), mas a publicação durou apenas duas edições. Esta pode ser considerada, portanto, a primeira vez que o Dr. Estranho tem um título com seu nome verdadeiro.

é um mistério o porquê de alguém batizar o doutor com esse nome estranho.

é um mistério o porquê de alguém batizar o doutor com esse nome estranho.

Nos Estados Unidos, o herói não tem um título mensal desde 1996, quando o título Doctor Strange: Sorceress Supreme foi encerrado. A partir daí, o herói só estrelou minisséries e participações especiais em títulos com outros personagens. Em 2015, já antecipando a produção estrelada por Benedict Cumberbatch, a Marvel decidiu contemplar o Mago Supremo com uma nova revista chamada Dr. Strange, dando a ele um perfil mais descontraído, alinhado à sua versão cinematográfica.

HQ resgata origens místicas do personagem

HQ resgata origens místicas do personagem

Essa publicação chega só agora ao Brasil, numa edição com 60 páginas, ao preço de R$ 7,60 e duas histórias por número. O título, escrito por Jason Aaron, traz uma volta às origens do Mago Supremo, quando ele era chamado para resolver casos sobrenaturais – em sua estreia, ele foi chamado de Mestre da Magia Negra, alcunha que foi alterada depois para Mestre das Artes Místicas. O primeiro número começa com Estranho ajudando a livrar a alma de um garoto de espíritos devoradores de almas vindos de outra dimensão. Este é outro resgate do autor: as viagens interdimensionais do mago.

Zelda faz uma visitinha à sala de estar do mago.

Zelda faz uma visitinha à sala de estar do mago.

Há também a inclusão de uma nova personagem, a jovem bibliotecária Zelma Stanton que procura Strange e, por uma falha nos poderes do mago, acaba libertando parasitas espirituais dentro do Sanctum Sanctorum. Com a ajuda da jovem e de seu fiel servo Wong, o Dr. Estranho precisa recapturá-los antes que causem algum estrago. A história é bem humorada e cheia de tiradas sobre as bizarrices que fazem parte da vida de um mestre do sobrenatural. Apesar de não combinar com o clima sério e sombrio que o personagem sempre teve ao longo dos anos, a mudança não incomoda e pode se tornar um recurso bastante atrativo para novos leitores que conheceram o herói nas telonas. E convenhamos: um pouco de humor não faz mal, quando bem utilizado.

Quando a capa variante é melhor que a oficial

Quando a capa variante é melhor que a oficial

A edição brasileira chega com duas capas variantes: a imagem que abre essa postagem, com arte de Chris Bachallo e Tim Townsend (que também são os artistas da HQ) e outra com arte de Kevin Nowlan (acima). Nos Estados Unidos, a revista vem fazendo tanto sucesso que já ganhou uma nova publicação derivada: Doctor Strange and The Sorcerers Supremes, onde o herói treina místicos de várias épocas. A bibliotecária Zelma Stanton também passou a ser uma personagem fixa na série, catalogando e cuidando dos livros místicos do Dr. Estranho. Afinal, Wong precisava de um descanso. 🙂

blog-homem-de-ferro

Antenados com os lançamentos cinematográficos

Universo Compartilhado

A Panini tem sabido explorar o momento cinematográfico atual, lançando títulos conforme as produções estreiam nas telonas. Tudo começou em maio de 2010, quando chegou aos cinemas o filme Homem de Ferro 2, cujo vilão principal era o Chicote Negro. No mesmo mês, a editora lançou a revista O Invencível Homem de Ferro, trazendo o herói e seu inimigo na capa. A partir da edição 9 (janeiro de 2011) a revista passou a se chamar Homem de Ferro & Thor, uma vez que, quatro meses depois, o Deus do Trovão também chegava aos cinemas.

Capitão ganhou título próprio depois de muitos anos.

Capitão ganhou título próprio depois de muitos anos.

Em julho de 2011, quando estreou Capitão América – O Primeiro Vingador, a Panini também deu um título para o Sentinela da Liberdade, chamado Capitão América & Vingadores Secretos, depois de 14 anos como coadjuvante nas revistas mix. O título mais inesperado foi Guardiões da Galáxia, lançado em março de 2015, sete meses depois da estreia no cinema. Talvez porque ninguém imaginava que o filme fosse agradar tanto, um título solo da equipe espacial era uma proposta arriscada demais para ser lançada logo na estreia. Já com Dr. Estranho, a aposta foi mais certeira: o filme estreou em novembro e a HQ tem data de dezembro/2016.

Se não fosse o filme, os Guardiões jamais teriam seu nome estampado numa publicação.

Se não fosse o filme, os Guardiões jamais teriam seu nome estampado numa publicação.

Doutor Estranho no Brasil

O Mago Supremo estreou no Brasil na revista Quarteto Fantástico 16 (Ebal, 1971), como coadjuvante na aventura da família primordial da Marvel. Meses depois, ele apareceu em Super X 49 (Ebal, nov/dez 1971), numa aventura do Hulk que serviu de prelúdio para a estreia da série dos Defensores, equipe da qual o Doutor é um dos fundadores. No ano seguinte, ele protagonizou o título Dr. Mistério, O Mestre das Artes Místicas (Minami & Cunha, 1972). Em maio de 1976, a Bloch lançou a revista Os Defensores, com a superequipe formada por Doutor Estranho, Hulk, Namor, Valquíria e Surfista Prateado. O título, no entanto, teve vida curta (apenas cinco edições), pois era uma prática da Bloch lançar vários títulos aleatórios para ver qual emplacava.

Edições que destacaram as histórias do Mago Supremo.

Edições que destacaram as histórias do Mago Supremo.

Em junho de 1979, o Dr. Estranho teve sua origem revelada no Almanaque Marvel 2 (RGE). Durante todos esses anos, o Doutor Estranho continuou aparecendo como coadjuvante nas aventuras de outros heróis, mas a situação mudou a partir de 1982 quando o místico estreou na revista Superaventuras Marvel 2 (Ed. Abril), que republicou a mesma HQ publicada em Doutor Mistério 1, extraída do título americano Marvel Premiere 3. A partir daí, a Abril passou a dar um bom destaque às suas aventuras solo e os leitores puderam acompanhar boas fases desenhadas por Barry Smith, Frank Brunner e Marshall Rogers, tanto em Superaventuras Marvel como em Heróis da TV.

Metal Pesado lançou HQ que quase ninguém leu.

Metal Pesado lançou HQ que quase ninguém leu.

Ele também foi o astro de duas graphic novels – Shamballa (Abril, 1989) e Triunfo e Tormento (Abril, 1991), ambas relançadas pela Panini em capa dura – e teve uma edição especial lançada pela Metal Pesado em 1998, que pouca gente sabe que existiu. A minissérie Strange (2004) que atualizou a origem do mago, foi publicada em 2006, na revista Marvel Max, já pela Panini. A minissérie O Juramento, outro grande sucesso do mago, foi publicada originalmente na revista Marvel Action (Panini, 2007).

Panini publicou séries solo do mestre místico em Marvel Max e Marvel Action.

Panini publicou séries solo do mestre místico em Marvel Max e Marvel Action.

Presença constante no Universo Marvel, o herói sempre participou dos eventos importantes da Casa das Idéias, como as séries Illuminati, Hulk Contra o Mundo, Vingadores: A Queda e Guerra Civil, entre outras. O anúncio da produção cinematográfica aumentou o destaque do mago nas HQs até culminar com o lançamento que acaba de chegar nas bancas.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s