Crítica: Guardiões da Galáxia

blog abreDepois de um mês de recesso (excesso de trabalho), nosso blox está de volta com mais uma crítica de cinema, talvez a mais esperada dos últimos tempos, afinal, trata-se da mais arriscada iniciativa da Marvel Studios desde sua criação. A chegada do filme Guardiões da Galáxia (Guardians of the Galaxy, 2014) na próxima quinta-feira, 31 de julho, é uma aposta corajosa em personagens pouco (ou nada) conhecidos da editora, que não possuem o mesmo carisma de Capitão América, Homem de Ferro e Thor e que poderiam fazer fracassar a Fase Dois da Marvel no cinema.

Prontos pra batalha

Prontos pra batalha

“Poderiam”, porque não vão. Ao menos, não pelo esforço coletivo dos envolvidos no projeto, que criaram um filme divertido, com excelente roteiro, momentos de ação e humor na dose certa, ótimas caracterizações e perfeitamente inserido no universo cinemático que a editora criou. Embora trate-se de uma aventura espacial, aparentemente desvinculada dos outros filmes já apresentados – Homem de Ferro 3 (2013), Thor: O Mundo Sombrio (2013) e Capitão América 2: O Soldado Invernal (2014) – a trama apresenta elementos que apontam para um futuro crossover dos personagens.

Contatos Imediatos

Contatos Imediatos

A história começa em 1988, quando o pequeno Peter Quill (interpretado por Wyatt Oleff) é abduzido por uma nave espacial após presenciar a morte da mãe. Corte para 26 anos no futuro, quando Quill (agora na pele de Chris Pratt) invade uma construção antiga num planeta distante e rouba um artefato antigo que também estava sendo procurado pela raça Kree. Evidentemente, o proclamado Senhor das Estrelas cria uma inimizade com Korath (Djimon Hounsou), o líder do exército kree, e se torna um alvo a ser caçado por toda a galáxia.

"Você vai me dar a orbe por bem ou vou ter que tirar à força?"

“Você vai me dar a orbe por bem ou vou ter que tirar à força?”

Sabendo que a orbe roubada deve valer algum dinheiro, Quill vai até o planeta Xandar na tentativa de oferecê-lo a um mercador. Ele só não esperava que Gamora (Zoe Saldana), uma perigosa assassina criada como filha de Thanos (Josh Brolin), havia sido enviada ao planeta por Ronan, o acusador (Lee Pace), para resgatar o artefato. A perseguição chama a atenção de Rocket Racoon (Bradley Cooper), um guaxinim falante, e seu parceiro Groot (Vin Diesel), uma árvore humanoide, que também entram na briga na tentativa de conseguir algum lucro.

Yondu não tem cara de muitos amigos. Aliás, não é só a cara.

Yondu não tem cara de muitos amigos. Aliás, não é só a cara.

Aprisionados pela Tropa Nova, liderada pelo Centurião Dey (John C. Reilly), os quatro são jogados numa prisão espacial, onde conhecem Drax, o Destruidor (Dave Bautista). Reunidos, o quinteto arma um plano de fuga da prisão e decide trabalhar em conjunto até conseguirem vender a orbe ao Colecionador (Benício Del Toro) antes que ela caia nas mãos de Ronan. Soma-se à equação a vingança pessoal de Nebulosa (Karen Gillan), filha de Thanos, que assume a missão que pertencia a Gamora e deseja puni-la por sua traição e a presença de Yondu (Michael Rooker), o guerreiro que abduziu e criou Quill desde criança, que também quer a orbe para si.  Armado o cenário e com as peças no seu devido lugar, é só relaxar e se divertir.

Batalhas espaciais, mas dentro da atmosfera.

Batalhas espaciais, mas dentro da atmosfera.

O filme tem o frescor das comédias de ação dos anos 1980, fruto das origens de Peter Quill, que guarda com carinho uma fita K-7 com as músicas preferidas de sua mãe e vive dando referências da época – a citação a Footloose é a mias engraçada. Embora seja um filme espacial, o público não deve esperar batalhas épicas como em Star Wars: a maior parte da trama se passa com os pés no chão, mas há belíssimas tomadas com coloridas nebulosas ao fundo e sim, há naves voando com tiros e explosões. Aliás, a batalha final em Xandar mostra toda a grandeza da Tropa Nova, o que poderia ser aproveitado no futuro para um possível filme solo do herói Nova, criado no final dos anos 1970.

Rocky dá uma ajeitadinha básica no "pacote" antes de partir pra ação.

Rocky dá uma ajeitadinha básica no “pacote” antes de partir pra ação.

Mas quem rouba a cena mesmo é, ironicamente, os personagens que não existem. Feitos em animação digital, Rocket Racoon e Groot são, de longe, os melhores e mais bem construídos personagens do filme. Rocket é a alma do filme, com suas tiradas sacanas e bem colocadas que, com certeza, vai arrancar muitas gargalhadas do público.

Groot: cenas de pura magia.

Groot: cenas de pura magia.

Já Groot é um ser cheio de poesia e bondade, que mistura a pureza e ingenuidade de E.T., o extraterrestre criado por Steven Spielberg, com o carisma e a força do Incrível Hulk. As cenas de Groot reservam momentos de magia e encantamento, capazes de emocionar. E vale lembrar que o personagem tem uma única fala, que repete o filme todo: “I’m Groot” (Eu sou Groot).

Do alto de seu trono, Ronan comemora a realeza dos filmes da Marvel.

Do alto de seu trono, Ronan comemora a realeza dos filmes da Marvel.

Como foi dito no início, Guardiões da Galáxia é mais um acerto da Marvel Studios. Por razões óbvias, dificilmente chegará ao bilhão como seus antecessores Os Vingadores (2012) e Homem de Ferro 3 (2013), mas mantém o bom nível que o estúdio vem apresentando em todas as suas produções e deve ter uma boa bilheteria. Tanto que a editora já anunciou esta semana, na San Diego Comic Con, a produção de Guardiões da Galáxia 2. Ou seja: a crença é de que o filme já é um sucesso, mesmo antes de estrear (nos Estados Unidos, ele estreia um dia depois que no Brasil). O futuro da Marvel está nas estrelas.

Oba! Mais um filmaço pra minha coleção da Marvel!

Oba! Mais um filmaço pra minha coleção da Marvel!

Uma última informação: nas sessões exibidas para a Imprensa, a cena pós-crédito não foi exibida, mas é certo que ela existe. Segundo a assessoria de Imprensa, foi uma determinação da Marvel para privilegiar o público e não estragarem a surpresa. Portanto, fique na cadeira até o final. Eu também voltarei ao cinema para ver a cena. Mentira: quero mesmo é ver o filme de novo, que é genial! A cena é a cereja do bolo.

Cotação: blog cotaçãoguardiões

Anúncios

4 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s