Consciência negra no cinema

blog abreAssim que um novo filme baseado em quadrinhos de super-heróis é anunciado, a comunidade de fãs fica ouriçada por saber que seus personagens favoritos vão ganhar vida nas telonas. A primeira preocupação é quem será o ator que vai encarnar o personagem. Assim que o nome é anunciado, os fóruns da Internet pipocam de discussões, tanto aprovando, quanto reprovando a escolha.

O Rei do Crime mudou de etnia quando foi transportado para o cinema.

O Rei do Crime mudou de etnia quando foi transportado para o cinema.

A situação é pior ainda quando os produtores resolvem mudar a etnia dos personagens conhecidos, algo que está acontecendo com bastante frequência, provocando uma verdadeira revolta nerd. O desejo de ser “politicamente corretos” e manter uma aparência de que não há preconceito nem privilégios na indústria cinematográfica coloca atores afrodescendentes no papel de personagens que, originalmente, foram concebidos como brancos nas HQs.

Alguém consegue ver a cor da pele por baixo da armadura? Então, pra que reclamar?

Alguém consegue ver a cor da pele por baixo da armadura? Então, pra que reclamar?

Para os fãs, é uma mácula, uma ferida na imagem “imutável” dos personagens já conhecidos. Isso gera uma discussão enorme sobre racismo, preconceito e fidelidade aos personagens que persiste antes, durante e depois do filme pronto. Desnecessário. Aproveitando o Dia da Consciência Negra, queremos mostrar que as mudanças de etnia de personagens, até hoje, em nada feriram a fidelidade aos quadrinhos e, em sua totalidade, os atores deram uma personalidade tamanha ao seu papel que é difícil imaginar o personagem com outra face.

Duncan nem precisou esperar um milagre para fazer uma boa interpretação do Rei

Duncan nem precisou esperar um milagre para fazer uma boa interpretação do Rei

Rei do Crime (Michael Clarke Duncan) – Nos quadrinhos, o Rei do Crime foi criado por Stan Lee e John Romita, para a galeria de vilões do Homem-Aranha. Com o tempo, tornou-se o pior inimigo do Demolidor. Um homem gigantesco e extremamente forte – no início, ele era gordo, mas depois foi mostrado que o que ele tinha não era gordura, mas massa muscular – que não podia ser representado por outro senão o também gigante Michael Clarke. Fora a cor da pele, ninguém pode dizer que não era o Rei do Crime dos quadrinhos que estava ali, em Demolidor, O Homem sem Medo (2003).

Interpretação divina.

Interpretação divina.

Heimdall (Idris Elba) – O guardião da Ponte do Arco-Íris é um deus nórdico, tipicamente europeu. Foi, portanto, um tanto estranho saber que ele seria interpretado por um ator afro. Elba, porém, imprimiu em seu olhar (mesmo oculto por lentes de contato amarelas) uma interpretação tão forte que ele transformou Heimdall, criado para ser um personagem de apoio, num dos mais carismáticos do filme Thor (2011), tanto que ganhou até uma participação mais ativa na recente aventura do Deus do Trovão. Em Thor – O Mundo Sombrio (2013), ele ataca uma nave invasora do demônio Malekith e prova que sua utilidade vai além de ficar parado na porta de entrada de Asgard.

Fishburne foi o oitavo ator a encarnar Perry White. Ganhou dos outros sete.

Fishburne foi o oitavo ator a encarnar Perry White. Ganhou dos outros sete.

Perry White (Laurence Fishburne) – Em Homem de Aço (2013), a etnia do editor do Planeta Diário foi mudada, causando uma enorme revolta nos fãs. Afinal, diferente do Rei do Crime e de Heimdall, que ganharam sua primeira vida fora das HQs, White já foi interpretado por mais sete atores entre cinema e TV. No entanto, nenhum deles – repetindo: nenhum! – conseguiu ser tão “Perry White” como Fishburne. Nos quadrinhos, o editor é quase um pai para sua equipe: durão na busca pelas notícias, mas protetor e amigo, especialmente de Lois Lane, sua melhor repórter. É o que Fishburne faz no longa.

 

Quem você esperava? O David Hasselhoff?

Quem você esperava? O David Hasselhoff?

Samuel L. Jackson (Nick Fury) – Este, na verdade, já foi uma mudança que fizeram nos quadrinhos – e que causou grande polêmica. Em 2000, a Marvel criou o Universo Ultimate, para reformular seu universo de super-heróis e atualizar conceitos que se tornaram ultrapassados em nossos dias. Ao recontar a origem dos heróis, muitas mudanças foram feitas: uma delas foi a etnia de Nick Fury, o diretor da agência de espionagem SHIELD que teve seu visual inspirado no ator (e não o inverso). Ao criar seu universo cinemático, Jackson topou interpretar o agente e deu o rosto definitivo ao herói, tanto que, até no universo tradicional, o antigo Nick Fury se aposentou e, em seu lugar, assumiu seu filho, que também tem as feições – e a cor da pele – de Samuel L. Jackson.

Você vai ter um choque ao me ver nos cinemas!

Você vai ter um choque ao me ver nos cinemas!

Também faz parte desta lista o ator Jamie Foxx, que interpretará o vilão Electro, em O Espetacular Homem-Aranha 2 (2014). Não podemos afirmar com certeza como será a performance do ator no papel, visto que o filme só estreia ano que vem, mas certamente não será a cor da pele que fará a diferença – ainda mais se considerarmos que o ator usa uma maquiagem azulada, que provavelmente será substituída por efeitos especiais, simulando os poderes elétricos do vilão.

Pete Ross foi o primeiro a mudar de etnia em Smallville. E não foi efeito da kryptonita.

Pete Ross foi o primeiro a mudar de etnia em Smallville. E não foi efeito da kryptonita.

Também poderíamos citar Pete Ross, originalmente loiro, que foi interpretado pelo ator Sam Jones III na série de TV Smallville (2001-2010), mas vamos nos restringir ao cinema. Mas cabe dizer que, em Man of Steel, Ross é interpretado por um garoto ruivo (Jack Foley). A alteração não provocou tantas discussões como quando Jones foi contratado para o papel, no início da década. E a mudança do cabelo também não é algo que muda as características de um personagem? 

Será que os fãs vão queimar a língua ao reclamar do Tocha Humana negro?

Será que os fãs vão queimar a língua ao reclamar do Tocha Humana negro?

Como se vê, até o momento, essas mudanças só ocorreram com personagens secundários. Alguns boatos dão conta de que o Tocha Humana, herói tradicionalmente loiro, será interpretado pelo ator Michael B. Jordan (Poder sem Limites, 2011) no reboot do Quarteto Fantástico, previsto para 2015. Isso faz com que, pela primeira vez, um personagem protagonista de quadrinhos mude de etnia em sua adaptação cinematográfica. Os fãs já reclamam e fazem campanha contra o filme.

Perry White agora é Black

Perry White agora é Black

Será que isso é necessário? Como fã de quadrinhos, também sou adepto que se faça uma transposição fiel para as telonas. No entanto, o conceito de “fiel” vai muito além da cor de pele, como os exemplos acima citados. Transformar personagens brancos em negros, até agora, só apresentou vantagens: além de conferir personalidade aos mesmos, ainda serviu para colocar em pauta a discussão sobre racismo e mostrar a bobagem que é julgar alguém pela cor de sua pele, mesmo que ela seja “trocada”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s