Crítica: Arrow

Órfãos (como eu) de Smallville, podem dar pulos de alegria. Estreou na quarta-feira a série Arrow, pelo canal CW, pertencente à Warner Bros. No Brasil, a série estreia no dia 22 de outubro, às 22h. Em Smallville, um dos personagens que ganhou destaque foi o milionário Oliver Queen, identidade secreta do herói Arqueiro Verde (Green Arrow, no original, daí o nome da série).

Personagem estreou em Smallville

Queen, interpretado por Justin Hartley, deveria fazer apenas uma participação especial, mas como os fãs aprovaram o personagem, ele se tornou uma espécie de segundo protetor de Metrópolis, enquanto Clark não assumia o manto do Superman.

Série nova, elenco novo

Arrow, no entanto, não tem ligação com Smallville, pelo menos por enquanto, mas possui várias coisas em comum. A primeira delas é o diretor, David Nutter, que também é responsável por outros dois grandes sucessos do canal, Supernatural e Game of Thrones. O segundo ponto em comum com Smallville é que o objetivo da série é apresentar uma releitura do personagem para nossos dias. No entanto, o elenco foi renovado e a ação se passa na própria cidade do herói, Star City (na série ela é chamada de Starling City).

Uma esmolinha, por favor…

A história começa com Queen (Stephen Amel), barbudo e trajando um capuz esverdeado, sendo resgatado de uma ilha deserta por um navio chinês. É revelado que ele ficou cinco anos naquela ilha após sofrer um naufrágio, que vitimou seu pai e a jovem Sarah Lance, irmã da advogada Laurel Lance (Katie Cassidy), com quem Oliver já tinha tido um caso romance.

Mira na criminalidade

O tempo que passou na ilha, porém, mudou o perfil playboy de Queen, que a jura acabar com aqueles que “dominaram sua cidade pelo medo”. Para isso, ele invade uma fábrica abandonada de seu falecido pai e monta lá um quartel-general, com computadores monitorando toda a cidade (impressionante como essas séries sempre têm monitoramento computadorizado facilmente acessível, mesmo que você não seja um gênio da informática) e maquinário para fabricação de flechas.

Exilado numa ilha, Oliver aprendeu a manusear arco e flecha

É que Queen, nos cinco anos em que ficou na ilha, foi obrigado a aprender o manuseio de arco e flecha para sobreviver, tornando-se um perito. Em seu retorno, porém, ele manteve isso em segredo até mesmo dos que lhe são mais próximos: seu melhor amigo Tommy (Colin Donnell), sua irmã Thea (Willa Holland) e sua mãe Moira (Susanna Thompson). Completa o elenco o guarda-costas John Diggle (David Ramsey), que vai exigir de Oliver muito jogo de cintura para despistá-lo e poder bancar o herói.

Oliver e Laurel: relação de amor e ódio

Nos cinco anos em que foi dado como morto, muita coisa mudou em Starling City. Sua mãe se casou novamente com o sócio de seu pai; a irmã, que sofreu muito com a “morte” do irmão mais velho, encontrou nas drogas uma fuga e Laurel nunca perdoou Oliver pelo romance mal sucedido e, principalmente, por ter se envolvido também com sua irmã, levando-a à morte.

Com toda revolução que o seu retorno causou na mídia, Oliver é novamente o centro das atenções e, logo de cara, é sequestrado por um grupo de mascarados, mas usa suas habilidades para fugir, creditando seu “salvamento” a um misterioso homem de capuz verde, que não tarda a reaparecer para obrigar o figurão Adam Hunt, que fraudou centenas de pessoas, a devolver o dinheiro (cerca de US$ 40 milhões). Exatamente o mesmo trabalho que o escritório de advocacia de Laurel tenta fazer, sem sucesso. Os caminhos de Oliver e Laurel tornam a se cruzar e as faíscas são inevitáveis.

A DC Comics lançou uma HQ para promover a série

Arrow mescla ação em tempo atual e flashbacks do período em que Oliver viajou com seu pai e se perdeu na ilha. Há vários segredos a serem revelados nos episódios seguintes. O primeiro episódio tem bons momentos, uma série de trocadilhos com o sobrenome do herói (como a inclusão da música We Are the Champions, do grupo Queen, e a menção de que a mãe de Oliver pagaria um “resgate de rainha” para ter o filho de volta.

Tenho cara de Kevin Costner?

Também não poderiam faltar as referências às HQs do Arqueiro Verde. Uma delas é dar à irmã de Oliver o apelido de Ricardito – o nome do parceiro juvenil do herói. Embora “Ricardito” pareça um apelido estranho para uma garota, em inglês, o nome do personagem é Speedy (algo como veloz, ligeira, em tradução ao pé da letra), o que dá mais sentido.

Máscara moderna

Outra referência com as HQs está na cena em que o dinheiro de Adam Hunt é transferido para as pessoas que ele roubou: o nome D. DiDio aparece como uma de suas contas fantasma. Dan DiDio é o nome do editor executivo da DC Comics.  Além disso, os fãs não precisam estranhar o fato de um dos casos de Queen se chamar Laurel Lance. O sobrenome conhecido não é à toa: no final do episódio, a advogada é chamada por seu nome completo: Dinah Laurel Lance, levando a crer que Laurel é apenas um pseudônimo profissional e que, em breve, veremos a Canário Negro em ação.

E aí, vai encarar?

Pelo que foi mostrado no primeiro episódio, Arrow será uma excelente série de ação. Evidentemente, muitos irão reclamar sobre a descaracterização do personagem, algo que já foi duramente criticado em Smallville. Porém, como no cinema, adaptações se fazem necessárias, sobretudo nos tempos atuais, em que a mentalidade exige mais realismo e menos fantasia. Em se tratando de super-heróis, é impossível desassociar o personagem da fantasia, mas, assim como Batman, o Arqueiro Verde é um dos personagens mais verossímeis das HQs. Tratado com o devido cuidado – e a equipe de produção é muito boa – Arrow tem tudo para se tornar um novo sucesso. As últimas notícias dão conta que o episódio piloto teve a maior audiência registrada numa estreia da emissora nos últimos três anos. Uma prova de que os super-heróis estão na moda, definitivamente.

Anúncios

6 comentários

  1. O que me deixa puto da vida é o fato de o cara ter ficado 5 anos fora, e na primeira semana ja monta uma super-sala computadorizada, o cara vivia no meio do mato e imediatamente é um genio da informática… não bastasse, já fabrica flechas incrivelmente extra-terrestres, teleguiadas e blá blá blá.. aquela que transfere o dinheiro pela parede do cofre nem vou comentar… meus pêsames :/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s