Os cinco “Thors” do cinema

Sempre que um filme faz sucesso, é comum surgirem as cópias, geralmente feitas com baixo orçamento e qualidade inferior. No caso do Thor, bastou a Marvel anunciar que estaria produzindo um filme com o personagem, que estúdios menores já começaram a fazer ou resgatar as suas versões do Deus do Trovão. Plágio? Não, uma vez que Thor é um personagem proveniente da mitologia nórdica e, portanto, de domínio público – desde que sejam reservadas as devidas liberdades, claro. Por exemplo, Stan Lee, quando adaptou o personagem, deu a ele uma identidade terrestre e o transformou num super-herói. Isso não pode ser copiado. O personagem, no entanto, permite as mais diversas adaptações.

Este blox descobriu cinco – isso mesmo, CINCO! – versões cinematográficas do personagem e viu quase todas para trazer uma crítica do que vale ou não a pena assistir. As críticas, claro, são dadas em martelinhos. Portanto, vamos a elas.

Conan + Tarzan = Thor, o Conquistador

Thor, o Conquistador (Thor, The Conqueror, 1983) – Produção italiana feita para a TV, o Thor do filme é uma mistura de Conan com Tarzan e surgiu muito mais na esteira do sucesso do bárbaro interpretado por Arnold Schwarzenegger do que do Deus do Trovão do qual tem o nome. Na trama, os pais de Thor (Bruno Minniti, creditado como Conrad Nichols) são brutalmente assassinados pelo tirano Gnutt. Apenas um recém-nascido, Thor teria o mesmo fim, se não fosse a ajuda de um mago da floresta, que cuida do bebê até que ele atinja a maturidade. Já crescido, o jovem Thor parte em busca de uma espada mágica de seu pai, que lhe daria poderes para derrotar Gnutt e vingar sua família. O “herói” é monossilábico e suas poucas falas são em terceira pessoa. A truculência chega ao nível de provar a “macheza” possuindo a primeira mulher que encontra numa caverna. A única coisa que esse Thor consegue conquistar é o título de pior trash movie dos anos 80. É possível encontrar esse filme em sebos, mas no formato VHS.

Cotação: 

Produção mediana feita para TV

Thor: O Martelo dos Deuses (Thor: Hammer of Gods, 2009) – Filme feito para a TV que passou despercebido e que foi resgatado pela distribuidora Focus e lançado em DVD para aproveitar o momento. Na trama, Thor (Zachery Ty Bryan) e seus amigos se dirigem a uma ilha misteriosa em busca de aventuras. O jovem deus começa a ter visões de um guerreiro poderoso, empunhando um martelo e derrotando uma gigantesca serpente marinha e acredita que este guerreiro é seu irmão Baldur (mais uma vez, grafado de forma estranha), muito mais experiente na arte de lutar. O grupo parte, então, em busca da montanha onde o martelo dos deuses estaria perdido, a única forma de derrotar a serpente. Porém, eles terão que enfrentar Fenris, o lobo assassino, e seus lobisomens, que também estão atrás da arma.  A produção tem um enredo que prende a atenção e utiliza muitas referências da mitologia nórdica, o que torna o filme um bom programa. Nada espetacular, mas merece ser visto.

Cotação: 

Cópia oportunista

Almighty Thor (Almighty Thor, 2011) Feito pela produtora picareta The Asylum, especializada em plagiar filmes de sucesso (visite o site da empresa e veja o acervo de cópias descaradas), este filme foi lançado em DVD uma semana antes do Thor da Marvel estrear nos cinemas. Com péssimos efeitos especiais e figurino de dar vergonha alheia, Almighty Thor mostra Loki  (Richard Grieco) fugindo do inferno e atacando o reino de Odin (o lutador Kevin Nash) em busca do Martelo da Invencibilidade para com ele destruir a Árvore da Vida e trazer o Ragnarok. Depois de matar Odin e Baldir (assim mesmo, com I), Loki luta com Thor (Cody Deal), mas este é salvo pela guerreira Jarnsaxa (Patricia Velasquez) e ambos fogem para Midgard (a Terra) em busca do martelo. Loki vem atrás e a batalha acontece nas ruas da cidade, com direito a monstrinhos fajutos em stop-motion e fogo nos prédios que se vê nitidamente que são falsos. Apesar disso, o filme tem ação e, em determinado momento, até nos faz torcer pelo herói. Pode ser visto naqueles dias chuvosos, cuja atividade mais importante para se fazer é ficar em casa vendo TV.

Cotação: 

Este é o verdadeiro e único Deus do Trovão.

Thor (Thor, 2011): Produção caprichada da Marvel que introduz o herói no cinema e prepara o terreno para Os Vingadores. Já fizemos a crítica do filme aqui, quando ele estreou nos cinemas, mas vale reforçar: é um dos melhores – senão o melhor – filme da safra dos super-heróis Marvel, que mescla ação, comédia e aventura na medida certa, com uma história bem amarrada feita para os fãs do herói vibrarem e para os que não conhecem o personagem também passarem a gostar. Chris Hemsworth encarna fielmente o arrogante deus, que é banido para a Terra pelo seu sábio pai Odin (Anthony Hopkins, perfeito no papel) para aprender a ser humilde. O filme alterna a história entre Terra e Asgard de forma que o público não fique confuso e os cenários do Reino Dourado são de encher os olhos.

O ator Tom Hiddleston está tão à vontade no papel do deus da trapaça, Loki, que consegue passar uma expressão de fragilidade quando, na verdade, age fria e dissimuladamente. Como adaptação dos quadrinhos da Marvel, Thor traz toda mitologia do personagem para as telas, incluindo os personagens Fandral, Hogun e Volstagg, os três companheiros de batalha de Thor; Heindall, o guardião da Ponte do Arco-Íris; Jane Foster, a amada do Deus do Trovão e o Destruidor, o robô indestrutível criado por Odin. Sem contar, claro, a ligação do filme com Homem de Ferro I e II (2008 e 2010, respectivamente), Capitão América: O Primeiro Vingador (2011) e Vingadores (2012), as outras produções da Marvel Studios. Um filmaço!

Cotação: 

Trocando o martelo pelo Bilhete Único.

Thor no Ponto de Ônibus (Thor at the Bus Stop, 2009) Nas pesquisas sobre o Deus do Trovão nas telonas descobrimos esta inusitada comédia que, acredite, participou de várias festivais internacionais de cinema (Cingapura, Las Vegas, Bangkok e Austin). A história mostra o deus nórdico do trovão (Jerry Thompson) fazendo uma última viagem num bairro suburbano dos Estados Unidos no dia em que vai morrer para salvar o mundo. Só que ninguém se importa com isso. Thor desencadeia, então, uma reação em cadeia envolvendo as pessoas que encontra – um mais maluco que o outro – e suas histórias de vida: Detetive Mergatroy (Jason Neistadt), Pete do banco do carona (Chris McInroy), Chuck Lixo Branco (Mike Thompson), Lester (Robert Shupe) e Ultra Stan, o “Every Man” (Joe Barry, numa clara referência a Stan Lee, que tinha o apelido de “The Man”). Esta pérola cinematográfica é a única que não foi vista, pois (ainda) não se encontra à venda no Brasil. Mas quem é bom no inglês, pode encomendá-la pelo site Amazon (se tiver coragem).

Cotação: 

Thor esmaga!

Além destes cinco “Thors”, há duas menções honrosas ao herói mitológico: sua participação no clássico A Volta do Incrível Hulk (The Incredible Hulk Returns, 1988), interpretado por Eric Kramer e fazendo par com o Gigante Verde (Lou Ferrigno), numa versão “nada a ver” com os quadrinhos (aliás, como toda a série do Incrível Hulk). Nela, Thor é uma “entidade” separada de Donald Blake, um estudante amigo de David Banner (Bill Bixby). Blake encontrou um martelo místico numa expedição e, toda vez que grita “Odin” segurando o artefato, ele invoca Thor, um deus fanfarrão e adepto de bebedeiras que mais arruma encrenca do que aventuras.

Parece, mas não é.

A segunda menção é a “aparição” do herói no filme Uma Noite de Aventuras (Adventures in Babysitting, 1987), interpretado por Vincent D’Onofrio. Na verdade, não se trata de Thor, mas de um mecânico chamado Dawson que, devido à sua semelhança com o verdadeiro deus do trovão (no filme, ele aparece até mesmo segurando um martelo), acaba confundindo a garota Sara (Maia Brewton), fã do herói.

Curioso notar que todos esses filmes (exceto Almighty Thor) foram feitos antes do Thor da Marvel. Isso só demonstra a força do personagem, seja como mito ou como super-herói de quadrinhos. Agora que Thor ganhou uma produção à altura de sua divindade, tornando-o muito mais conhecido, vamos aguardar para ver o que virá por aí com seu nome.

Anúncios

10 comentários

  1. Faltou mencionar que o Thor também aparece no antigo seriado do Perdidos no Espaço dos anos 60. Neste episódio, Dr. Smith rouba o martelo e o cinturão mágico
    do herói e adquiri seus poderes. O Thor aparece como um pinguço gordo, briguento e bufão. Também tem um filme de monstro dos anos 70 ou 80 que faz menção ao herói.
    Aliás prefiro os filmes trash do que essa bosta estrelada pelo galã fashion Tom Hiddleston que não tem nada haver com o Thor dos quadrinhos.

    • Não tenho conhecimento destas produções, Xan. Aliás, pra mim foi novidade saber que o Thor apareceu na série Perdidos no Espaço. Valeu pela informação. Porém, acho que você está sendo um pouco radical ao afirmar que o filme do Chris Hemsworth “não tem nada a ver com o Thor dos quadrinhos”. Você pode até não ter gostado do filme e é um direito seu, mas ele tem tudo a ver com os quadrinhos, a começar pelo fato que ele é retratado como um super-herói, ideia de Stan Lee, ao adaptar o personagem. Até então, ele era apenas um deus mitológico, não um super-herói, com direito a capa vermelha e poder de voo. De resto, tudo que foi retratado no roteiro – salvo as licenças poéticas existentes em qualquer adaptação – foi tirado das HQs. Gostar ou não do resultado é outra coisa, mas que o filme é todo quadrinhos, isso não há dúvidas!
      Abraço pra você!

      • Veja se consegue incluir o Thor do Perdidos no Espaço aí na sua matéria, ele é muito melhor que esse do cinema ! Aliás o Thor da Marvel foi copiado do Capitão Marvel Júnior da DC, ele é um rapaz aleijado que quando pronúncia o nome de seu herói cai um raio em cima dele e ele vira super herói. Esse filme novo do Thor está mais para Power Rangers do que para o Thor dos gibis. Um Abração para você e parabéns pela matéria. *OBS. Thor o Conquistador eu assisti no cinema a uns 30 anos atrás !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s